China tem 'longo caminho pela frente' para metas ambientais, diz Conselho de Estado

·2 min de leitura

PEQUIM (Reuters) - A China tem um "longo caminho pela frente" em termos de proteção ambiental, reconheceu o Conselho de Estado do país neste domingo, ao anunciar um combate "profundo" à poluição com o anúncio de novas metas relativas à despoluição do ar e da água e medidas para combater as emissões de carbono.

O Conselho de Estado, gabinete do governo da China, disse que houve algumas melhorias na situação ecológica do país desde o lançamento da campanha antipoluição, informou a agência de notícias estatal Xinhua.

Mas o Conselho disse que será difícil combater a poluição e garantir que as emissões de carbono atinjam o pico em 2030 e que a neutralidade de carbono seja enfim alcançada até 2060, conforme prometido pelo presidente Xi Jinping.

A China é o maior emissor mundial de gases de efeito estufa.

"A campanha de proteção ecológica e ambiental tem um longo caminho pela frente", disse o Conselho em um comunicado.

A China planeja aumentar para 79% a proporção de água de boa qualidade em suas regiões costeiras, eliminar a alta poluição do ar, controlar efetivamente os riscos de poluição do solo e aumentar significativamente a capacidade de tratamento de resíduos sólidos e novos poluentes, disse o Conselho.

O governo também prometeu cortar a quantidade de compostos orgânicos voláteis (VOCs), emitidos principalmente pelas indústrias química e petrolífera, e de óxidos de nitrogênio em pelo menos 10% até 2025, na comparação com os níveis de 2020, e assim interromper o aumento da poluição da camada de ozônio.

O país também tentará cumprir os seus ambiciosos objetivos ambientais sem afetar drasticamente a atividade econômica e industrial e a vida cotidiana das pessoas, disse o Conselho, acrescentando que a agenda ambiental também vai se coordenar com outras ações nacionais, incluindo campanhas de segurança alimentar e energética.

O Conselho de Estado pretende tornar cerca de 93% de suas terras agrícolas atualmente contaminadas aptas para plantação até o final de 2025, contra os 90% que estavam previstos para o final de 2020, e reduzir os resíduos de metais pesados descartados por indústrias-chave em 5% na comparação com os níveis de 2020.

(Por Muyu Xu e Ryan Woo)

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos