Choque de trem com ônibus escolar mata cinco crianças na França

Por Mathieu GORSE, Hugues JEANNEAUD
1 / 2
Choque entre um trem e um ônibus escolar causou a morte de cinco crianças no sudoeste da França, em Millas, no dia 15 de dezembro de 2017

Os investigadores tentavam nesta sexta-feira (15) determinar as causas do choque entre um trem e um ônibus escolar que causou a morte de cinco crianças no sudoeste da França.

Anteriormente, o balanço de vítimas era de seis mortos, mas a cifra foi atualizada.

O acidente aconteceu no final da tarde de quinta-feira, em uma passagem de nível em Millas, na região dos Pirineus Orientais, perto da fronteira com a Espanha, e deixou cerca de 20 feridos, vários em estado grave.

As vítimas eram passageiros do ônibus que transportava adolescentes com entre 13 e 17 anos e foi partido ao meio após se chocar contra um trem.

O choque foi tão violento que os legistas tiveram dificuldades de identificar algumas vítimas, mas as família já foram comunicadas.

A procuradoria abriu uma investigação por homicídios e ferimentos involuntários.

O primeiro-ministro francês, Edouard Philippe, e a ministra dos Transportes, Elisabeth Borne, seguiram para o local do acidente.

A ministra Borne tuitou que os "serviços de resgate e do Estado estão mobilizados. Estou indo para o local do acidente imediatamente".

O ministro da Educação, Jean-Christophe Blanquer, lamentou um acidente "terrível".

Todos as crianças eram de Saint-Féliu-D'Avall, uma localidade com pouco mais de 2.000 habitantes, situada poucos quilômetros de Millas.

A notícia abalou a pequena comunidade.

Vários acidentes já aconteceram nesta mesma passagem de nível, mas ainda não foram esclarecidas as circunstâncias desta colisão. O procurador disse que depoimentos "apontam, em sua maioria, que as barreiras estavam fechadas" no cruzamento que foi atravessado pelo veículo.

A motorista do ônibus, de 48 anos, que ficou gravemente ferida, afirma o contrário, segundo seu empregador.

"Visitamos ela ontem (quinta-feira) à noite no hospital. Estava totalmente lúcida, nos explicou que tinha atravessado a passagem de nível com total confiança e serenidade, com as barreiras abertas e a luz intermitente apagada", declarou um dos dirigentes da empresa.

A companhia ferroviária francesa, a SNCF, disse que "a passagem de nível funcionou normalmente, mas obviamente isso deverá ser confirmado pela investigação".