Chris Rock diz ter assistido filme para ver Will Smith 'sendo chicoteado'

Quase um ano após o tapa de Will Smith em Chris Rock no palco da cerimônia do Oscar, os astros de Hollywood retornam aos holofotes. Segundo o New York Post, Rock teria afirmado, em um show de comédia, ter assistido o último filme de Smith “Emancipation” para vê-lo “sendo chicoteado”. No longa da Apple TV+ baseado em fatos, Will interpreta um homem escravizado que foge de uma plantação em Louisiana na década de 1860.

A confusão no Oscar foi iniciada por conta de uma piada de mau gosto sobre Jada Pinkett Smith, esposa de Will, que sofre com alopecia, doença autoimune que causa queda de cabelo. O caso deve ser abordado no próximo especial ao vivo de comédia da Netflix, Chris Rock: Selective Outrage, que vai ao ar neste sábado.

De acordo com o The Wall Street Jornal, Rock também teria abordado o caso em um dos shows de preparação para a transmissão e feito referência a uma música de Smith, lançada nos anos 1990: “Me bateram tão forte que eu ouvi Summertime nas minhas orelhas!”.

Oscar 2023: 'Close' investiga a masculinidade atual

“A coisa que as pessoas querem saber… doeu? Inferno sim, doeu. Ele jogou Muhammad Ali! Eu interpretei Pookie. Até nos filmes de animação eu sou uma zebra e ele é um maldito tubarão!”, ironizou referindo-se aos seus respectivos papéis em "Ali" e "New Jack City".

Na quarta-feira, Will Smith participou da cerimônia de premiação da Associação de Críticos de Cinema Afro-Americanos. Sem mencionar o incidente do Oscar, o ator aceitou o Prêmio Beacon com o diretor de “Emancipation”, Antoine Fuqua, e revelou ter sido o "filme mais difícil de toda a minha carreira".

Luto: morre Steve Mackey, baixista do Pulp, aos 56 anos

“O Beacon Award destina-se a destacar filmes que abordam assuntos desafiadores com perspicácia, esclarecimento, além de envolver o público. Era nossa esperança que Emancipation fosse capaz de trazer à vida a história triunfante de Peter, sua fé inabalável e seu profundo amor por sua família”, disse o ator no primeiro discurso em premiações após o Oscar.

Na noite da agressão, Smith foi reconhecido com o prêmio de Melhor Ator por seu papel em King Richard e banido da cerimônia por uma década. Posteriormente, Will optou por abdicar de seu posto como membro da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas.

O ator reconheceu o comportamento no Oscar como “inaceitável e sem perdão” e pediu desculpas a Rock em vídeo publicado nas redes sociais em julho do ano passado.

"Eu procurei Chris e a mensagem que retornou é que ele não está pronto para conversar e, quando estiver, ele vai me procurar", disse Will.

"Então eu digo a você, Chris, eu peço desculpas a você. Meu comportamento foi inaceitável. Eu estou aqui para conversar, quando você quiser”, completou.

Em discurso durante o almoço dos indicados ao Oscar de 2023, a atual presidente da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas (AMPAS), Janet Yang, reconheceu que a organização não lidou de forma adequada com as consequências do caso.

“O que aconteceu no palco foi totalmente inaceitável e a resposta da nossa organização foi inadequada. Aprendemos com isso que a Academia deve ser totalmente transparente e responsável em nossas ações e, principalmente em tempos de crise, você deve agir com rapidez, compaixão e decisão por nós mesmos e por nossa indústria. Você não deve e não pode esperar nada menos de nós daqui para frente”, disse.

Em junho do ano passado, Jada declarou em um episódio de seu programa Red Table Talk que espera que os atores "possam se reconciliar" e que o mundo como está hoje precisa de união.

"Sobre a noite do Oscar, eu espero profundamente que esses dois homens inteligentes e capazes tenham a oportunidade de se curar, falar sobre isso e se reconciliar", afirmou.