Chuva de flores prevista para o funeral de Elizabeth II

Desde a morte de Elizabeth II, milhões de britânicos prestam uma última homenagem com buquês de flores em todo o país, pelo qual as floriculturas esperam um recorde de vendas para seu funeral e enterro na segunda-feira, 19.

No mercado de flores da Columbia Road, no centro de Londres, é difícil abrir passagem três dias após a morte da rainha em sua residência de verão no Castelo de Balmoral.

"Está um pouco mais cheio que o normal", diz Albert Deane, um dos vendedores que tenta vender todas as suas hortênsias em tons pastel.

"As pessoas compram muitas rosas, crisântemos, flores que ficam bem ao ar livre e não murcham muito rápido", acrescenta Deane, de 39 anos.

A Associação Britânica de Floristas (BFA) confirmou à AFP que a "demanda aumentou claramente nos últimos dias" e explica que as flores preferidas da rainha eram o lírio-do-vale e alguns lírios brancos.

O Reino Unido está acostumado a vibrar com os eventos reais, mas os enterros, mais que os casamentos, desencadeiam uma maré de emoções. E uma chuva de flores.

- Um oceano para Diana -

Quando a princesa Diana morreu em 1997, "a demanda de flores foi incrível", foi sem dúvida "a vez que vendi mais flores em toda a minha vida", lembra Rosario Rospo, de 56 anos e proprietária da OK Bouquet, uma das maiores lojas da Columbia Road.

Segundo a imprensa anglo-saxônica, 60 milhões de flores foram depositadas então em homenagem a Diana, um oceano colorido que se manteve durante 10 dias.

60 milhões de flores foram então depositadas em homenagem a Diana, um oceano colorido e perfumado que permaneceu por 10 dias.

Desta vez, as autoridades movem as oferendas à medida que são depositadas, de modo que a enxurrada de flores, velas, desenhos e outros objetos parece menos impressionante.

Os profissionais preveem, no entanto, que as vendas para o funeral de segunda-feira podem superar as da morte de Diana.

Domingo pode ser "um dia recorde" na Columbia Road, diz Albert Deane. "É um acontecimento inédito. Nunca vi isso em toda a minha vida: um reinado de 70 anos", confessa.

"A sensação no setor é que as vendas superarão as do enterro da princesa Diana", afirma a associação britânica de floristas.

Algumas lojas, como os supermercados Marks and Spencer próximos ao palácio de Buckingham, ficaram sem flores na quinta-feira e no último fim de semana, mas a BFA afirma que não há riscos de escassez.

Por outro lado, os preços estão subindo, especialmente para as flores da Holanda, principal fornecedor do Reino Unido.

"Os floristas compram o máximo que podem dos horticultores do Reino Unido, mas é uma oferta sazonal e volumes limitados", explica a British Florists Association.

A maioria das flores vendidas no Reino Unido é importada, não apenas da Holanda, mas também da Turquia, Israel, Quênia e América do Sul.

ved-ode/tjc/zm/aa