Chuva no RJ: Mãe e irmã de secretário de Administração morrem levadas por enxurrada

Mãe e irmã de secretário foram mortas pelas fortes chuvas no RJ - Foto: Reprodução/Facebook
Mãe e irmã de secretário foram mortas pelas fortes chuvas no RJ - Foto: Reprodução/Facebook
  • Chuvas no RJ fizeram duas vítimas fatais na cidade de Carapebus, na última semana

  • Mãe e irmã do secretário de Administração da cidade foram arrastadas pela enxurrada

  • A confirmação das mortes aconteceu sábado, após a identificação dos corpos

Duas mulheres, mãe e filha, foram vítimas das tempestades que castigam boa parte do Brasil nos últimos dias. Nilza Ana da Silva Barcelos, de 82 anos, e Rosane Cristina da Silva Barcelos, 58, morreram levadas por uma enxurrada na cidade de Carapebus, no Rio de Janeiro.

De acordo com informações do portal UOL, a confirmação das mortes aconteceu na noite do último sábado (3), dois dias após Nilza e Rosane serem arrastadas pela força da água.

As vítimas eram, respectivamente, mãe e irmã do secretário de Administração do município, Luiz Geraldo da Silva Barcelos. Por isso, a prefeitura da cidade divulgou nota lamentando o ocorrido.

"A Prefeitura de Carapebus presta profundas condolências à família do secretário de Administração Luiz Geraldo da Silva Barcelos pela perda irreparável de sua mãe Nilza Ana da Silva Barcelos, e de sua irmã, Rosane Cristiana da Silva Barcelos, vítimas da tragédia que se abateu sobre nossa cidade. Essas perdas ficarão marcadas nas mentes e corações de todos os carapebuenses, diante da maior catástrofe natural da história de Carapebus", manifestou o órgão comandado pelo prefeito Bernard Tavares (Republicanos).

Campanha de arrecadação na cidade

Carapebus sofreu com as chuvas na semana passada e decretou situação de emergência na sexta-feira (2), com suspensão das aulas na rede municipal e lançamento de campanha para arrecadação de recursos como mantimentos, água potável, medicamentos, entre outros.

No sábado (3), a prefeitura divulgou um balanço do prejuízo financeiro causado ao comércio local pelo desastre natural. Segundo o relatório, os danos foram avaliados em R$ 11,7 milhões.