Chuvas deixam 300 desalojados em Salvador

PATRICIA PASQUINI

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Salvador (BA) está em alerta máximo para alagamentos e deslizamentos. A capital baiana foi atingida por uma forte chuva a partir das 7h da manhã desta terça-feira (26). Até às 10h choveu 169 mm - a média histórica para novembro é de 106,5 mm. O acumulado em 12 horas foi de 258 mm, mais que o dobro previsto para o mês.

Segundo o diretor-geral da Defesa Civil de Salvador, Sosthenes Macédo, o órgão havia sido alertado sobre a chegada de uma frente fria que ficaria sobre o estado até quinta-feira, mas não havia previsão de chuva forte e volumosa, e de um fenômeno chamado cavado (região na atmosfera onde ocorre uma ondulação do fluxo de ventos no sentido horário no Hemisfério Sul e onde há também uma tendência à queda da pressão atmosférica).

A trégua ocorreu às 18h15, quando houve enfraquecimento da chuva.

Da meia-noite até 18h30, houve 356 solicitações de vistoria para a Defesa Civil através do telefone de emergência 199. No período, foram registrados nove alagamentos de vias, 122 de imóveis, queda de quatro árvores, cinco desabamentos parciais de imóveis, 12 de muros e 114 deslizamentos de terra. Desta vez, a chuva não fez vítimas, de acordo com o órgão.

Porém, cerca de 300 pessoas de quatro comunidades foram retiradas de suas casas e levadas a escolas públicas. "É um trabalho de precaução, até que as equipes da Defesa Civil avaliem essas casas e liberem a volta das famílias em segurança", diz Macédo.

A análise só poderá ser concluída quando a chuva cessar e o solo secar. Aquelas que não puderem retornar serão cadastradas pela prefeitura e receberão bolsa-aluguel por um período que pode ser indeterminado, dependendo da avaliação da Defesa Civil.

Salvador tem um trabalho de prevenção às chuvas. Há 48 pluviômetros espalhados pela cidade, por onde a Defesa Civil acompanha a quantidade de chuva; duas estações meteorológicas e duas hidrológicas, que permite verificar o avanço do maior rio da cidade, o Camarajipe; e 11 sistemas de alerta e alarme, acionados quando há o acúmulo de 150 mm de chuva num período de até 72 horas com perspectivas de continuação por mais 24 horas.

Além disso, os moradores em áreas de risco participam de simulados de evacuação e são capacitados sobre o que fazer quando o alarme é acionado. Até esta quinta-feira, a média de chuva em Salvador ficará entre 40 mm e 60 mm por dia. Macédo avalia que a situação ainda é preocupante, apesar do volume de chuva menor. "Nas atuais circunstâncias, qualquer chuva que caia agora nos deixa em alerta com atenção maior", afirma.