Ciclo de debates sobre língua portuguesa reúne artistas e intelectuais lusófonos

·3 min de leitura
***ARQUIVO***PARATY, RJ, 27.07.2017 - Os escritores Kalaf Epalanga e Djaimila Pereira de Almeida durante a festa da Livraria Cia das Letras, no Espaço Benditas, em Paraty (RJ). (Foto: Marcus Leoni/Folhapress)
***ARQUIVO***PARATY, RJ, 27.07.2017 - Os escritores Kalaf Epalanga e Djaimila Pereira de Almeida durante a festa da Livraria Cia das Letras, no Espaço Benditas, em Paraty (RJ). (Foto: Marcus Leoni/Folhapress)

GUARULHOS, SP (FOLHAPRESS) - Com a língua portuguesa no centro do debate, mais de 20 acadêmicos e artistas de países como Angola, Brasil, Moçambique e Portugal participam de um seminário virtual e gratuito da próxima terça-feira (9) ao sábado (13).

O evento, que está na quinta edição, é organizado pela Comissão para Promoção de Conteúdo em Língua Portuguesa (CPCLP) da Câmara Brasileira do Livro (CBL). As transmissões têm início diariamente às 11h (horário de Brasília) e serão feitas no canal do YouTube do Centro de Pesquisa e Formação do Sesc.

Djaimilia Pereira de Almeida, escritora portuguesa nascida em Angola e autora de obras como "A Visão das Plantas" (Todavia) e "Luanda, Lisboa, Paraíso" (Companhia das Letras), Kalaf Epalanga, músico e escritor angolano, e a brasileira Socorro Acioli, autora de "A Bailarina Fantasma" (ed. Biruta) estão entre os nomes do campo artístico.

Participarão ainda o filósofo moçambicano Severino Elias Ngoenha, um dos principais pensadores africanos da atualidade, e Leonardo Tonus, professor da francesa Sorbonne. O escritor e livreiro angolano Ondjaki também está na programação.

O mote para os cinco painéis que compõem o seminário tem como pano de fundo questões contemporâneas urgentes, explica Francis Manzoni, coordenador da CPCLP. Para isso, os debates versam sobre questões que vão do pensamento decolonial à migração e da divulgação científica às livrarias, sempre relacionando-as à língua.

"A lusofonia não mora apenas na literatura, existem outras manifestações, como a música", diz. "Nesta edição, quis trazer a não ficção e falar sobre a língua para a expressão do pensamento --a língua que não está só com os letrados, mas com todo mundo."

As janelas de oportunidade abertas pela língua portuguesa e, ao mesmo tempo, seus possíveis limites, temas que permeiam os debates, são centrais para a reflexão do papel do idioma no mundo --que está em movimento--, acrescenta Manzoni.

*

Programação completa Cerimônia de abertura

Quando: 9 de novembro (terça-feira), 10h30

Mesa 1: Pensar em português: nuances do pensamento crítico/filosófico em língua portuguesa

Quando: 9 de novembro (terça-feira), 11h

Participantes: Severino Elias Ngoenha (Universidade Técnica de Moçambique), Gilvan Müller de Oliveira (Universidade Federal de Santa Catarina) e Djaimilia Pereira de Almeida (escritora)

Mediação: Regina Brito (Universidade Presbiteriana Mackenzie)

Mesa 2: Divulgação do conhecimento/ciência em língua portuguesa

Quando: 10 de novembro (quarta-feira), 11h

Participantes: José Teixeira (Universidade do Minho), Socorro Acioli (escritora) e Germana Barata (Universidade de Campinas)

Mediação: Marcelo di Renzo (Universidade Católica de Santos)

Mesa 3: Lusofonias na diáspora em tempos de pandemia

Quando: 11 de novembro (quinta-feira), 11h

Participantes: Else Vieira (Queen Mary - Universidade de Londres), Kalaf Epalanga (escritor angolano) e Leonardo Tonus (Universidade Sorbonne)

Mediação: Guiomar de Grammont (Universidade Federal de Ouro Preto)

Mesa 4: Novas lusofonias em literatura

Quando: 12 de novembro (sexta-feira), 11h

Participantes: Francisco Noa (professor universitário e ensaísta de Moçambique), Isabel Lucas (jornalista e crítica literária de Portugal) e Mirna Queiroz (jornalista e diretora-executiva da revista Pessoa)

Mediação: Paulo Daniel Farah (Universidade de São Paulo)

Mesa 5: O desafio das livrarias

Quando: 13 de novembro (sábado), 11h

Participantes: Rosa Azevedo (editora e livreira de Portugal), Marcus Teles (livreiro brasileiro), Ondjaki (escritor e livreiro de Angola) e Mônica Carvalho (livreira brasileira)

Mediação: Vitor Tavares (presidente da Câmara Brasileira do Livro)

Mais informações no site na Câmara Brasileira do Livro.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos