Furacão Ida se aproxima de Cuba e ameaça se intensificar em direção aos EUA

·2 minuto de leitura
Imagem de satélite de Ida avançando para Cuba às 10h50 (horário de Brasília) em 27 de agosto de 2021 (AFP/Handout)

O furacão Ida se aproxima do oeste de Cuba nesta sexta-feira (27) e seguirá seu caminho rumo às costas do sul dos Estados Unidos, onde deve chegar no domingo sendo "extremamente perigoso", informou o Centro Nacional de Furacões (NHC), com sede em Miami.

O ciclone, de categoria 1 (de um total de 5), está a 70 quilômetros ao noroeste da Ilha da Juventude, em Cuba, disse a entidade.

Ida se move em direção ao noroeste a cerca de 24 km/h, com ventos máximos sustentados de cerca de 130 km/h, e manterá esse rumo nos próximos dias.

De acordo com o NHC, o fenômeno deverá tocar terra no domingo em Louisiana, no sul dos Estados Unidos, como um furacão "extremamente perigoso" de categoria 4, com ventos de mais de 200 km/h.

O olho do furacão passará pelo oeste de Cuba nas próximas horas, antes de mover-se pelo sudeste e o centro do Golfo do México na noite de sábado, segundo as previsões do centro meteorológico.

Cuba emitiu um alerta de furacão para as províncias de Pinar del Río e Artemisa.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, aprovou uma declaração de estado de emergência para Louisiana nesta sexta-feira para fornecer "assistência federal" aos esforços de preparação, após ordens de evacuação voluntárias e obrigatórias emitidas em alguns locais.

"Este é um desafio extremo para nosso estado", afirmou John Bel Edwards, o governador da Louisiana, que enfrenta um novo surto de covid-19 que está lotando os hospitais.

"É hora de o povo da Louisiana se preparar", exortou Bel Edwards, em um comunicado, no qual ele garantiu que no sábado à noite todos os residentes deverão estar abrigados.

Nova Orleans é uma das cidades da Louisiana que antecipa possíveis danos. "Estamos no lado leste do caminho da tempestade, esperamos impactos significativos", tuitou a prefeita LaToya Cantrell nesta sexta-feira.

Louisiana é frequentemente afetada por furacões. O estado do sul ainda não cicatrizou totalmente as feridas causadas pelo furacão Katrina, que devastou seu território em 2005 e matou mais de 1.800 pessoas.

Durante este episódio traumático, 80% de Nova Orleans foi inundada quando os diques que protegiam a cidade se romperam.

gma/llu/lda/aa/am

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos