Cidade com 'bandeira vermelha' no RS tem comércio fechado e Covid-19 em frigoríficos

PAULA SPERB

PORTO ALEGRE, RS (FOLHAPRESS) - Principal cidade da única região do Rio Grande do Sul sob bandeira vermelha, Lajeado, a 94 km de Porto Alegre, está com o comércio de rua de portas fechadas.

"É muito triste, é uma cidade universitária, cortada por uma rodovia federal para escoamento industrial, e de repente deixa de ter essa vitalidade", diz o prefeito Marcelo Caumo (PP).

Lajeado é a terceira cidade com mais casos da Covid-19. Até o final de terça-feira (12) eram 202 casos e nove mortes, com uma incidência de 257 casos a cada 100 mil habitantes.

Segundo Caumo, os número são explicados também por causa da testagem ampliada em laboratórios privados e na Universidade do Vale do Taquari (Univates).

"O número de casos é expressivo, mas todas as pessoas são atendidas. Temos leitos disponíveis e respiradores à disposição", diz o prefeito.

Lajeado está apenas atrás de Passo Fundo --cuja bandeira foi flexibilizada de vermelha para laranja nesta semana--, com 277 casos e 20 mortes, e Porto Alegre, com 546 casos e 19 mortes, também bandeira laranja.

Segundo o governo, estas duas últimas regiões podem permanecer com bandeira laranja porque tiveram incremento no número de leitos. A bandeira laranja permite o comércio de rua.

O modelo gaúcho de distanciamento é guiado por bandeiras --nas cores amarela, laranja, vermelha e preta, uma graduação do menor ao maior risco-- aplicadas a 20 regiões do território gaúcho. O uso de máscaras passou a ser obrigatório desde segunda-feira (11).

O modelo foi anunciado no último dia 30 de abril, mas a partir de agora é regulado por decreto e protocolos específicos para 12 grupos de atividades econômicas.

Entre as 20 regiões, a semana se iniciou com bandeira vermelha apenas em Lajeado, outras seis regiões com bandeira amarelas, 13 laranjas e nenhuma preta. O modelo não prevê "lockdown", quando há restrição de circulação das pessoas. A bandeira preta limita as atividades econômicas.

A Justiça decretou o fechamento de dois frigoríficos com casos confirmados de Covid-19 em Lajeado. Um deles, o Minuano, foi autorizado a voltar operar com 50% dos funcionários, após comprovar adoção de protocolos de higiene.

O segundo, da BRF, permanece fechado. Procurada pela reportagem, a empresa afirmou que tenta reverter a decisão e que "está muito segura do cumprimento efetivo de todas as medidas protetivas e protocolos indicados pela Organização Mundial da Saúde (OMS)".

Os dois frigoríficos empregam diretamente 4.000 pessoas, segundo o prefeito de Lajeado.

Até o final des terça-feira, o Rio Grande do Sul tinha 2.917 casos confirmados e 111 mortes.