Cidade da Flórida impõe máscaras e resposta à COVID-19 aumenta conflito nos EUA

Por Leila MACOR com Julia BENARROUS em Houston e Michael MATHES em Washington
1 / 3
Mulheres celebram despedida de solteira em Miami Beach no dia 26 de junho, sem atenção às regras de distanciamento social.

A cidade da Flórida onde os republicanos vão celebrar sua convenção nacional, impôs nesta segunda-feira (29) o uso obrigatório de máscaras, enquanto o aumento de casos nos Estados Unidos provoca divisões profundas sobre os esforços para conter a pandemia.

Com mais de 125.000 mortes no país e a escalada de infecções em muitos dos 50 estados, alguns governadores voltaram a fechar bares e restaurantes, embora a Casa Branca atribua o aumento de casos à maior quantidade de testes realizados.

O presidente Donald Trump esperava realizar a convenção nacional dos republicanos em um evento livre de distanciamento social em Jacksonville.

A nova medida representa um golpe três semanas após a transferência do evento de Charlotte, na Carolina do Norte, que impôs medidas estritas de prevenção, como o distanciamento social.

Cerca de 200 médicos da Flórida escreveram uma carta a Lenny Curry, prefeito republicano de Jacksonville e apoiador de Trump, para suspender o evento.

O texto indica que cerca de 40.000 pessoas de todo o país são esperadas na convenção.

"Permitir que esse número de pessoas chegue a Jacksonville sem dúvida causará doenças, é previsivelmente prejudicial e desrespeitoso para os moradores desta cidade e para o resto do país", escreveram os médicos.

A carta também pedia ao prefeito que ordenasse o uso de máscaras. Neste aspecto, houve sucesso.

Curry não comentou a medida e deixou o anúncio a cargo de seu porta-voz.

Em um tímido esforço para conter a transmissão do vírus, a Flórida proibiu na sexta-feira a venda de bebidas alcoólicas dentro de bares.

As cidades costeiras do sul, incluindo Miami e Fort Lauderdale, anunciaram que fecharão as praias no próximo fim de semana, quando se celebra o Dia da Independência.

Nesta segunda, a cidade de Miami ameaçou fechar entre 10 e 30 dias os negócios que não fizerem seus clientes cumprir as normas e deter os donos após uma terceira infração.

O balneário turístico de Miami Beach também impôs nesta segunda o uso obrigatório de máscaras em público, com multas de 50 dólares aos infratores.

- Horas de fila no Texas -

Mensagens confusas do governo e da Casa Branca complicaram os esforços para conter a pandemia em um país com mais de 2,5 milhões de infectados.

Enquanto Trump minimiza a questão, seu próprio consultor de saúde alertou que o país está em um ponto de virada iminente.

"A janela está se fechando para que possamos agir e controlá-la", disse o secretário de Saúde e Serviços Humanos Alex Azar à CNN no domingo.

O vice-presidente Mike Pence defendeu no domingo o uso de máscaras, mas também disse que o governo delegará esse assunto aos governadores.

Pence usava uma máscara no domingo, quando visitou Dallas, onde se encontrou com o governador do Texas, Greg Abbott.

Dias antes, Abbott havia fechado todos os bares nas grandes cidades do estado, depois de reconhecer que a economia havia sido retomada muito cedo.

"A COVID-19 deu um salto muito rápido e perigoso no Texas nas últimas semanas", disse Abbott no domingo.

Os centros de testes de coronavírus do estado estão superlotados. Nesta segunda-feira, uma fila de mais de 200 veículos ocupava um estacionamento em Houston.

Em um deles estava Fernando Gálvez, um estudante de medicina de 24 anos que apresentava febre, tosse e dores no peito há três dias. "Estou esperando há quase sete horas, é uma loucura", disse ele pela janela do carro.

- "Acorda, América!" -

No vizinho Arkansas, o governador republicano Asa Hutchinson disse que estava "incentivando o uso de máscaras", uma medida menos impositiva do que a do governador democrata da Califórnia, Gavin Newsom, que decretou seu uso obrigatório.

Em Nova York, antigo epicentro do vírus, os casos foram drasticamente reduzidos e o governador democrata Andrew Cuomo apelou para que os americanos levem a ameaça da pandemia mais a sério do que o governo federal.

"É hora de acordar, Estados Unidos. A Casa Branca nega o coronavírus desde o início e a resposta federal está incorreta", disse Cuomo.

Trump se mantém à margem da crise. Ele passou o domingo em seu clube de golfe na Virgínia e publicou dezenas de tuítes inflamados, mas evitou os problemas relacionados à COVID-19.

Seu adversário nas presidenciais de novembro, o democrata Joe Biden fez uma recomendação ao tuitar: "Usem máscaras".