Cidade no RS vacina veterinários e educadores físicos em grupo prioritário; MP investiga

Redação Notícias
·1 minuto de leitura
Idoso é vacinado em Alegrete (Foto: Divulgação)
Idoso é vacinado em Alegrete (Foto: Divulgação)

A Prefeitura de Alegrete, no Rio Grande do Sul, está causando polêmica em sua vacinação contra a Covid-19. Veterinários e profissionais de educação física foram incluídos no grupo prioritário de imunização, segundo a Secretaria Municipal de Saúde, depois que 100% dos profissionais da “linha de frente” contra o novo coronavírus receberam as primeiras doses.

O município estima que 70% dos profissionais de saúde em geral receberam imunização. E os idosos moradores em asilos, outro grupo prioritário, também foram todos vacinados, segundo a prefeitura. A vacinação de idosos fora de asilos, no entanto, ainda não começou

Leia também:

O Plano Nacional de Vacinação do Ministério da Saúde coloca trabalhadores dos serviços de saúde na lista de grupos prioritários. Nessa categoria também está aqueles que atuam em espaços e estabelecimentos de saúde, como hospitais, clínicas e laboratório, sejam profissionais da saúde (como médicos, enfermeiros, veterinários e profissionais de educação física), bem como trabalhadores de apoio (cozinheiros, seguranças, recepcionistas, por exemplo).

A secretária de Saúde da cidade, Haracelli Fontoura, diz que as categorias de veterinários e educadores físicos estão na resolução 218, publicada pelo Ministério da Saúde/

O Ministério Público do RS informou que pediu explicações à prefeitura de Alegrete sobre um possível esgotamento da vacina a subgrupos, mas ainda não teve resposta formal.

O órgão ainda afirma que recebeu notificações de casos de profissionais da saúde, integrantes do grupo prioritário, que anteciparam em alguns dias a vacinação em todo o estado, a partir do formulário oferecido para denunciar irregularidades na vacinação.

Na teoria, essas condutas não caracterizariam ato ilícito, segundo a coordenadora do Centro de Apoio Operacional de Direitos Humanos (CAODH), Angela Salton Rotunno. No entanto, essas notícias estão sendo encaminhadas às respectivas promotorias nos municípios para apuração mais aprofundada.