Cidade do Rio vai receber 90 mil doses da Coronavac, mas espera calendário federal para informar novas datas

Rafael Nascimento de Souza
·3 minuto de leitura

RIO — A Prefeitura do Rio diz que espera um calendário federal para disponibilizar novas datas para a vacinação no município. Nesta quarta-feira, dia 17, a capital fluminense receberá mais 90 mil doses da Coronavac, do Instituto Butantã, que deverá contemplar pessoas com idades de até 74 anos. A partir da próxima semana, a Secretaria municipal de Saúde (SMS) dependerá da entrega de doses do Ministério da Saúde. Segundo a Prefeitura do Rio, o município está trabalhando para abrir nos leitos de UTIs. Esse processo deverá acontecer ainda nesta semana. Um dado chamou a atenção. Segundo a Cidade do Rio de Janeiro, 1.100 pessoas estão sendo internadas simultaneamente por Covid.

— Recebemos 90 mil novas doses e isso é suficiente para vacinar as pessoas de 75 anos. Estamos na expectativa de um calendário do Ministério da Saúde para lançarmos um calendário mensal aqui na cidade no próximo mês. (Hoje) Só temos o calendário (de vacinação) até o fim de semana. Provavelmente, na próxima semana teremos um calendário para 74 anos — afirmou nesta manhã o secretário Daniel Soranz.

Covid-19:

A principal novidade é que, a partir de quinta-feira, dia 18, haverá divisão entre homens e mulheres na ida aos postos, para evitar aglomerações. Nesta quarta-feira, idosos de 76 anos, de ambos os gêneros, serão imunizados normalmente, como já vinha ocorrendo. No dia seguinte, porém, será a vez das mulheres de 75 anos; e, na sexta, receberão as doses os homens da mesma faixa etária.

Sobre aumento de procura de leitos de UTIs, hoje o município tem 94% de sua capacidade atingida, Soranz disse que “o cenário da Covid na cidade está mudando muito rápido” e por isso o Rio trabalha para abrir novos leitos, inclusive em hospitais particulares.

— O Cenário (de contaminação) está mudando rápido. Abrimos 353 novos leitos e novos serão abeto. Mas, se a população não entender que precisa cumprir todas as medidas, teremos uma dificuldade na qualidade de leitos. Estamos tendo 1100 pessoas internadas simultaneamente. Se as pessoas não respeitarem, vamos ter muitas mortes simultaneamente é uma taxa de ocupação muito alta.

Medo volta às favelas:

Sobre a vacinação, o Soranz afirmou que “a expectativa é que a produção no Brasil aumente e tenhamos um calendário mais ágil” na cidade.

— Para evitar que todos procurem, dividimos esse calendário. O objetivo é evitar aglomeração — afirma.

A SMS afirmou que o município poderá ter novas restrições, caso o aumento de contágio continue crescendo nos próximos dias. Na tentativa de mitigar o problema, 85 leitos serão abertos ainda nesta semana. Soranz criticou pessoas que ainda insistem na aglomeração

— As pessoas foram irresponsáveis em aglomerar e expor desnecessariamente seus pacientes. Estamos ligando o alerta máximo e estamos muito preocupados. Medidas restritivas ajudam, mas as pessoas precisam colaborar. Precisamos que as pessoas cumpram o escalonamento. Se a gente não tiver uma redução de procura nas urgências, emergências e nas internações, vamos ter um aumento da restrição na cidade. Precisamos salvar vidas.

Alerta das UTIs:

De segunda a sexta:

Funcionamento das 8h às 17h

Os locais e horários de vacinação de sábado, para a repescagem de idosos de 75 anos ou mais, serão divulgados posteriormente pela Secretaria Municipal de Saúde.