Cidades da Grande SP reajustam tarifa de ônibus; veja novos valores

·2 min de leitura
*ARQUIVO* SAO PAULO, SP, 19/05/2021, BRASIL - GREVE DOS METROVIARIOS - 07:33:21 - Greve paralisa 4 linhas do Metro de SP nesta quarta-feira. Movimentacao na plataforma do terminal de onibus Itaquera. (Rivaldo Gomes/Folhapress)
*ARQUIVO* SAO PAULO, SP, 19/05/2021, BRASIL - GREVE DOS METROVIARIOS - 07:33:21 - Greve paralisa 4 linhas do Metro de SP nesta quarta-feira. Movimentacao na plataforma do terminal de onibus Itaquera. (Rivaldo Gomes/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Cidades da Grande São Paulo anunciaram nos últimos dias reajustes das tarifas do seu sistema de ônibus.

Enquanto São Paulo aguarda definição sobre se haverá ajuda federal para bancar a passagem, cidades vizinhas não esperaram e já vêm anunciando novos valores das passagens.

Em Guarulhos, a tarifa passará de R$ 4,45 para R$ 4,90 no Bilhete Único; e de R$ 4,70 para R$ 5 em dinheiro, a partir de 2 de janeiro.

A prefeitura lembrou, em publicação em seu site, que as passagens permaneceram congeladas nos últimos três anos.

Em São Bernardo, a passagem passará de R$ 4,75 para R$ 5,10 a partir do dia 2. Diadema terá reajuste de R$ 4,65 para R$ 5,10 no pagamento em dinheiro, mas pelo Cartão Sou+Diadema ficará mantida em R$ 4,25.

Na cidade de Mauá, o valor pago na catraca passará de R$ 5,30 para R$ 6. No caso da tarifa social, o pagamento em espécie será de R$ 5 e, para quem tem o cartão SIM, R$ 4,20. Diferentemente das demais cidades, os demais valores só começam em 29 de janeiro.

Em Francisco Morato, também na Grande SP, o valor passará de R$ 4,60 para R$ 4,90 a partir do dia 3.

No interior paulista, também houve anúncios. Em Campinas, por exemplo, a tarifa subirá de R$ 4,55 para R$ 5,15, a partir do dia 3.

Na cidade de São Paulo, o reajuste ainda não foi definido. O valor atual, de R$ 4,40, será mantido até a definição do Senado Federal sobre a votação do projeto de lei que prevê custeio do governo federal para a gratuidade de idosos.

Segundo Nunes, essa gratuidade custa cerca de R$ 450 milhões ao ano para os cofres da administração municipal. O pedido para que o governo federal arque com esse custo foi feito pelos prefeitos no mês passado.

"Eu conversei com o presidente do Senado, o senador Rodrigo Pacheco (PSD-MG), e ele me falou que vai pautar para fevereiro o projeto onde prevê que o governo federal repasse aos municípios o valor da gratuidade do idoso", afirmou o prefeito.

"Tendo em vista isso, que o senado só retorna em fevereiro, nos vamos manter a tarifa sem aumento até uma decisão do senado federal", completou.

O prefeito disse também que já conversou com o governador de São Paulo e a decisão sobre o aumento da tarifa do transporte sobre trilhos será feito em conjunto e que, por parte do governo do estado, há o desejo de não aumentar também.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos