Cidades do interior de SP identificaram aplicação de vacinas contra a Covid vencidas

·4 minuto de leitura
*ARQUIVO* Nilópolis (RJ) identifica uso de vacinas vencidas e aplica novas doses na população

. (Foto: Rivaldo Gomes/Folhapress)
*ARQUIVO* Nilópolis (RJ) identifica uso de vacinas vencidas e aplica novas doses na população . (Foto: Rivaldo Gomes/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - A Prefeitura de Jaboticabal, no interior de São Paulo, identificou, no fim de abril, a aplicação de nove doses da vacina contra a Covid-19 da AstraZeneca após o prazo de validade.

O lote, com vencimento em 30 de março, foi entregue à cidade em 26 de fevereiro, mas as aplicações só foram feitas em 20 de abril. As doses vencidas foram aplicadas em pessoas com idade entre 60 e 65 anos.

À época, Tania Petrazzi, coordenadora da Vigilância Epidemiológica do município, afirmou que as doses tinham sido destinadas inicialmente para a população acamada com mais de 80 anos. Segundo Petrazzi, elas seriam aplicadas em domicílio por uma equipe da Saúde da Família, mas um dos frascos foi esquecido no drive-thru de vacinação da Estação Cora Coralina.

"Esse frasco que tinha validade até 30 de março ficou despercebido na estação. Quando chegou a data [para vacinar a] faixa de 60 a 65 anos, elas acabaram sendo usadas indevidamente em 20 de abril", disse a coordenadora em vídeo publicado pela prefeitura.

Petrazzi classificou a situação como "pontual" e disse que seria aberto um procedimento para apurar as responsabilidades do erro, mas a prefeitura não informou no que resultou a apuração.

Segundo a Prefeitura de Jaboticabal, as nove pessoas foram acompanhadas, revacinadas e passam bem. O município afirma que, depois desse incidente, não houve mais nenhuma aplicação fora da validade.

Em Águas de Lindóia (SP), a prefeitura informou que 22 pessoas receberam vacina da AstraZeneca em 30 de março, um dia após o prazo de validade.

A orientação para quem recebeu as vacinas vencidas no local, no entanto, é de que as doses não precisam ser desprezadas, pois "um dia de vencimento não vai comprometer a imunogenicidade [capacidade de estimular a produção de anticorpos] da vacina", disse o médico infectologista da Divisão de Imunização do Centro de Vigilância Epidemiológica Eder Gatti, avaliando o caso do município em troca de emails com o Grupo de Vigilância Epidemiológica de Campinas, ambos da Secretaria Estadual da Saúde.

A conversa ocorreu entre 28 e 30 de abril de 2021, quando o governo local tomou conhecimento das aplicações dos imunizantes fora do prazo de validade na cidade por meio de uma reportagem da EPTV, da TV Globo.

Reportagem do jornal Folha de S.Paulo mostrou que registros do Ministério da Saúde indicam que 26 mil doses haviam sido utilizadas depois do vencimento até 19 de junho. O uso de imunizantes fora da data de validade compromete sua proteção contra o coronavírus.

Após a publicação, a cidade de Nilópolis, na Baixada Fluminense, identificou 210 possíveis aplicações de doses vencidas da vacina AstraZeneca e até o fim da manhã desta segunda-feira (5) havia confirmado que 25 pessoas foram imunizadas com doses fora da data de validade. Todas foram revacinadas.

A prefeitura disse, em nota, que vem ligando para todos os casos suspeitos e conferindo o cartão de vacinação. Segundo a assessoria de imprensa do município, qualquer pessoa que identificar que tomou uma dose vencida pode procurar o posto para ser vacinada novamente. Basta levar o cartão de vacinação, que será conferido com o número do lote da AstraZeneca que está com a data de validade vencida.

No Acre, a Prefeitura de Xapuri colocou sob monitoramento 51 moradores da cidade que receberam doses vencidas da vacina AstraZeneca contra a Covid-19 também após a reportagem.

Segundo o diretor de ações básicas de Xapuri, Francisco Andrade da Silva Souza, as 51 doses vencidas na cidade foram aplicadas entre os dias 2 e 14 de junho. O lote usado venceu em abril. "Já detectamos todos os moradores que receberam as doses vencidas. Alguns já nos procuraram", afirmou Souza.

Antes da publicação da reportagem da Folha de S.Paulo, ao menos duas cidades já haviam identificado a irregularidade e tomado providências, assim como Jaboticabal e Águas de Lindoia.

Foi o caso do município de Dracena, no interior de São Paulo, que informou que 80 pessoas foram vacinadas nos dias 14 e 15 de abril com doses fora do prazo de validade. À época, a prefeitura revacinou as pessoas com o mesmo imunizante.

No interior da Paraíba, a cidade de Alagoa Grande também admitiu ter aplicado 72 doses da vacina AstraZeneca fora do prazo de validade. O caso ocorreu em maio e a revacinação começou há uma semana, após orientação do Ministério da Saúde.

Outras prefeituras, no entanto, negaram ter aplicado doses vencidas contra a Covid-19 e disseram que se trata de erro de registro no sistema. É o caso de Maringá, a campeã no uso de vacinas vencidas segundo os registros oficiais. O secretário de Saúde da cidade, Marcelo Puzzi, afirmou que houve um erro no lançamento do Sistema Conect SUS, que estaria diferente do dia da aplicação das doses.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos