Cidades do Rio recebem vacina para a dose de reforço em todos os adultos; calendário da capital deve ser divulgado nesta quinta-feira

·3 min de leitura

RIO — Os municípios do Rio de Janeiro começaram a receber vacina para a aplicação da dose de reforço contra a Covid-19 em toda a população com 18 anos ou mais, nesta quarta-feira. A Secretaria de Estado de Saúde (SES) disparou ontem um ofício para comunicar o envio de 700.566 doses de Pfizer para 86 cidades — uma remessa que se destinará, entre outros públicos, para os adultos que completaram cinco meses desde a segunda dose, de acordo com o intervalo estabelecido pelo Ministério da Saúde. Na capital, o calendário da terceira dose para pessoas com menos de 60 anos deve ser divulgado nesta quinta-feira.

A nota enviada pela SES aos municípios nesta quarta-feira também reduz a janela entre a primeira e a segunda doses da vacina da Pfizer para 21 dias, um cronograma já adotado anteriormente por outros municípios, como o próprio Rio de Janeiro. A medida visa a "otimizar e favorecer a completude dos esquemas já iniciados em todo o estado".

Segundo o ofício, os frascos da nova remessa devem ser usados não só no reforço da população adulta em geral, mas também na terceira dose de pessoas com mais de 60 anos e trabalhadores da Saúde, além da segunda dose daqueles que ainda estão com o esquema vacinal incompleto. A nota não especifica, porém, quantas doses devem ser dedicadas a cada um desses grupos.

Das mais de 700 mil doses, 356.130 serão destinadas ao Rio de Janeiro. A capital, que deve divulgar seu calendário da terceira dose ainda nesta quinta-feira, retira seus fracos nos galpões da Coordenação Geral de Armazenagem (CGA), tal como Itaboraí, Niterói, São Gonçalo, Volta Redonda e Maricá, que começou a aplicar a dose de reforço na população em geral já nesta quarta-feira.

A nota, assinada pelo Subsecretário de Vigilância e Atenção Primária à Saúde, Mário Sergio Ribeiro, também pede que os municípios não recusem a aplicação da vacina a pessoas com deficiência, idosos e acamados, nem especifiquem datas para a repescagem de vacinação desses grupos, "de modo a que possam ser contemplados com a imunização a qualquer tempo e em qualquer posto de vacinação, haja vista tratar-se de grupo de maior vulnerabilidade às formas graves da Covid-19".

Embora a distribuição da terceira dose já tenha começado, ainda pairam dúvidas sobre o reforço daqueles que tomaram a vacina da Janssen. Como o Ministério da Saúde informou na terça-feira, esse grupo deverá receber uma segunda dose da mesma marca dentro de um prazo mínimo de dois meses para, cinco meses depois, tomar uma terceira dose de outra vacina, preferencialmente a da Pfizer.

Até agora, no entanto, as autoridades não deram previsão de distribuição para a segunda dose de Janssen. Por outro lado, esta nova proposta de esquema vacinal para o imunizante, de duas doses em dois meses, também ainda necessita da autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), cujo aval para a vacina da Janssen, por enquanto, vale apenas para o esquema de dose única.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos