CIDH condena 'esterilização' de imigrantes nos EUA após denúncia

·1 minuto de leitura
(11 out) Manifestação em Nova York em favor dos direitos dos imigrantes
(11 out) Manifestação em Nova York em favor dos direitos dos imigrantes

A Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) expressou nesta sexta-feira seu repúdio ante a denúncia de que uma prisão para imigrantes localizada nos Estados Unidos registrou um número elevado de esterilizações sem o consentimento das mulheres afetadas.

"Esses procedimentos não consensuais constituem uma violação do direito à segurança da pessoa, à proteção contra ataques abusivos à vida privada e familiar, e à saúde das mulheres imigrantes", manifestou a CIDH, ente autônomo da OEA com sede em Washington.

Em meados de setembro, organizações de defesa dos direitos humanos denunciaram que o centro de detenção de imigrantes de Irwin, Geórgia, registrava uma taxa elevada de histerectomias. O centro teria encaminhado mulheres a um ginecologista particular e algumas delas disseram desconfiar do médico. 

A denúncia nasceu do depoimento de uma enfermeira que trabalhou no centro. Uma das detentas que denunciaram o caso às organizações descreveu a situação como "uma experiência em um campo de concentração".

Segundo a CIDH, esses incidentes teriam "se aprofundado no contexto da pandemia, que também estaria marcado pela ausência de canais adequados de comunicação".

A Comissão informou que recebeu informações sobre "um padrão sistemático de abusos e violação de direitos em centros de detenção de imigrantes no país". Entre os fatos, destacou denúncias de abuso sexual, privação do direito à liberdade religiosa, condições deploráveis de prisão e separação forçada de crianças e adolescentes imigrantes.

Após tomar conhecimento do caso, em meados de setembro, a presidente da Câmara dos Representantes, Nancy Pelosi, democrata, pediu uma investigação imediata das denúncias.

an/rsr/lb