Cientista italiano considera método sul-coreano contra vírus modelo a ser seguido

Cliente preenche suas informações antes de entrar em banco de Yunmeng, na cidade de Xiaogan, na província central de Hubei, na China

O diretor do Instituto Superior de Saúde (ISS), principal órgão público de consultoria científica da Itália, deu nesta segunda-feira um exemplo para seguir o método sul-coreano de combater o coronavírus, que é rastrear os movimentos de pessoas contaminadas.

"Estamos em guerra e devemos responder com todas as armas que temos", estimou o diretor da ISS, Gianni Rezza, em entrevista ao jornal La Stampa nesta segunda-feira.

Os sul-coreanos adotaram "uma estratégia eficaz que reduziu o crescimento da curva epidêmica", disse o chefe do instituto de pesquisa, controle e consulta técnico-científica.

"Eles fizeram testes rápidos, numerosos, mas seletivos, usando o mapa de movimento de cada pessoa que deu positivo ao geolocalizar telefones celulares", explicou.

"Eles foram capazes de identificar e isolar os sujeitos em risco" e, em seguida, "criaram aplicativos que permitem aos cidadãos conhecer as áreas com maior tráfego de pessoas contagiadas, para evitá-las", acrescentou.

A Coreia do Sul realiza uma campanha de detecção massiva. Os parentes de todas as pessoas contaminadas são sistematicamente revistados e o teste é proposto.

Para Rezza, na Itália, atualmente existem "centenas de milhares de pessoas em quarentena porque são positivas ou correm o risco de serem positivas".

No entanto, essas pessoas não conseguem manter uma distância segura de seus parentes, embora em teoria devam dormir em um quarto separado, comer sozinhos e ter seu próprio banheiro.

"É difícil para grande parte dos italianos. Se não levarmos em conta esse problema, a interrupção da atividade produtiva não será suficiente", disse Rezza.

Segundo ele, "seria necessário seguir o exemplo chinês e isolar as pessoas que não podem ficar de quarentena em casa. Talvez usando hotéis ou quartéis".

Rezza calcula que 10% das infecções são devido a contatos com pessoas sem sintomas ou na fase anterior ao seu surgimento.

Portanto, o interesse em "testar todos que tiveram contato com uma pessoa que deu positivo".

A partir de quarta-feira, a Itália interromperá toda atividade industrial que não seja essencial para fornecer bens básicos para a população.

"É inegável que nas fábricas é difícil manter a distância de segurança e o contágio também pode ocorrer no transporte de casa para o trabalho", disse ele, aprovando a medida do governo.