Cientistas brasileiros descobrem nova variante do coronavírus

Ana Lucia Azevedo
·2 minuto de leitura

Cientistas brasileiros descobriram uma nova variante do coronavírus. A descoberta foi relatada numa comunicação conjunta à Rede Corona-ômica de sequenciamento genético do Sars-CoV-2 por cinco instituições, coordenadas pelo Laboratório Nacional de Computação Científica (LNCC). Num trabalho independente, a mesma variante também foi descrita por pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). Ela teria surgido em agosto e já se espalhado por estados de todas as regiões, à exceção do Centro-Oeste.

A nova variante tem uma origem distinta das linhagens brasileiras P1 e P2, que causam preocupação mundial, especialmente a primeira. Porém, também provoca apreensão porque compartilha com elas a mutação E484K na proteína S do vírus, alvo da maioria das vacinas e testes de diagnóstico.

Essa mutação é associada a uma maior capacidade de transmissão. Também se teme que possa escapar do ataque de anticorpos e, com isso, reduzir a eficácia de vacinas.

O coordenador da Corona-ômica, o virologista Fernando Spilki, diz que há evidências fortes de que existe uma maior transmissibilidade. Mas o escape de anticorpos precisa ser investigado em profundidade. Até agora, as vacinas continuam a se mostrar eficientes.

Mas cientistas salientam que é preciso acelerar a imunização e proteger o maior número de pessoas possível justamente para evitar que o vírus vá mudando ao ponto de impactar seriamente a efetividade das vacinas.

Epicentro da pandemia e com a transmissão do Sars-CoV-2 descontrolada, o Brasil é considerado um celeiro de emergência de novas variantes do coronavírus, um laboratório a céu aberto. Por isso, a descoberta preocupa, mas não surpreende, afirma Ana Tereza Vasconcelos, coordenadora do Laboratório de Bioinformática do LNCC.

— O estudo de novas variantes é essencial porque o vírus está sempre mutando e quanto maior a transmissão, maior a chance de surgirem mutações. O sequenciamento, ao revelar mutações e variantes, mostra a cara do inimigo que estamos enfrentando — observa Vasconcelos.

O grupo coordenado por ela sequenciou e analisou 195 genomas, provenientes de pacientes com Covid-19 de 39 municípios, de cinco estados (Rio de Janeiro, Amazonas, Bahia, Paraíba e Rio Grande do Norte). Os genomas foram depositados em bases de dados públicas internacionais (GISAID).

As amostras foram coletadas entre 1º de dezembro de 2020 a 15 de fevereiro de 2021, de pacientes de 11 a 90 anos de idade, sendo 92 homens e 93 mulheres.