Cientistas buscam vida alienígena e energia escura no deserto chileno do Atacama

·1 min de leitura
Observatório de Las Campanas, no deserto de Atacama, no Chile

Por Jorge Vega e Fabian Cambero

DESERTO DO ATACAMA, Chile (Reuters) - No seco deserto chileno do Atacama, observadores de estrelas vasculham o céu noturno para detectar a existência de vida em outros planetas e estudar a chamada "energia escura", uma força cósmica misteriosa que se acredita estar impulsionando a expansão acelerada do universo.

Central na corrida para se investigar mundos distantes, o Telescópio Gigante Magalhães (GMT) é um complexo de 1,8 bilhão de dólares sendo construído no observatório de Las Campanas, que terá uma resolução dez vezes maior do que a do telescópio espacial Hubble.

O GMT, que se acredita que começará a operar até o final da década, competirá com o Telescópio Extremamente Grande do Observatório Europeu do Sul, localizado mais ao norte do mesmo deserto, e com o Telescópio de Trinta Metros (TMT) sendo construído no Estado norte-americano do Havaí.

"Esta nova geração de telescópios gigantes visa precisamente detectar vida em outros planetas e determinar a origem da energia escura", explicou Leopoldo Infante, diretor do observatório de Las Campanas.

"É uma corrida destes três grupos por quem chega primeiro e quem faz a primeira descoberta".

Infante disse que o novo telescópio gigante será capaz de detectar moléculas orgânicas na atmosfera de planetas distantes.

O outro prêmio é estudar a energia escura, diferente da semelhantemente enigmática matéria escura, que é considerada uma propriedade do espaço e representa uma quantidade enorme do universo, mas continua sendo essencialmente um mistério a ser resolvido.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos