Cientistas chineses criam pênis 'biônico' que promete ser usado contra disfunção erétil

Cientistas chineses desenvolveram um tecido artificial que restaurou com sucesso a função peniana em porcos e promete ser usado no futuro em humanos com algum tipo de disfunção erétil. Chamado de “pênis biônico”, o produto imita efetivamente uma bainha fibrosa de tecido necessária para manter as ereções, chamada túnica albugínea, que bombeia sangue para o pênis.

'Estava parando de funcionar': jovem sente dores no estômago e descobre que só tinha 16% de coração

Covid: variante XBB.1.5 é a mais transmissível já identificada, diz OMS; entenda

Especialistas da Universidade de Tecnologia do Sul da China disseram que os porcos envolvidos no estudo recuperaram a função normal de ereção com a ajuda da túnica albugínea artificial (ATA).

“Nós previmos amplamente os problemas e resultados do processo de construção do ATA, mas ainda assim ficamos surpresos com os resultados dos experimentos com animais, onde o pênis recuperou a ereção normal imediatamente após o uso", afirmou Xuetao Shi, autor do estudo e pesquisador da universidade.

Shi explica que a pesquisa de sua equipe agora quer resolver problemas com a saúde reprodutiva masculina, incluindo disfunção erétil, infertilidade e doença de Peyronie, um distúrbio do tecido conjuntivo em que o tecido cicatricial se forma na túnica albugínea, causando dor.

Estima-se que cerca de metade dos homens entre 40 e 70 anos sofrem de alguma forma de disfunção erétil, enquanto cerca de 5% sofrem da doença de Peyronie.

Trauma torácico: entenda a lesão de Jeremy Renner, o ator de 'Gavião Arqueiro'

Não é a primeira vez, porém, que pesquisadores tentam consertar o tecido danificado da túnica albugínea. A diferença é que, no passado, os estudos procuraram fazer remendos de outros tecidos no corpo de um paciente, mas o problema com isso é que seu sistema imunológico frequentemente os rejeita ou ocorrem complicações.

Para resolver esse problema, os pesquisadores da Universidade de Tecnologia do Sul da China desenvolveram o ATA à base de álcool polivinílico, que possui uma estrutura de fibra enrolada semelhante à do tecido natural. Como resultado, o material artificial possui propriedades biomecânicas que imitam as da túnica albugínea e não há o risco de rejeição.

A primeira coisa que os pesquisadores tiveram que fazer foi verificar se o material sintético era tóxico para algum outro tecido do corpo humano, já que foi projetado para permanecer no corpo por muito tempo, e descobriram que não deveria ser prejudicial. Eles então testaram o ATA em porcos miniatura com lesões em sua túnica albugínea.

Os cientistas descobriram que os adesivos feitos de tecido artificial restauraram a função erétil a tal ponto que era quase o equivalente ao tecido peniano normal. Eles então analisaram o tecido artificial um mês depois e descobriram que ele ajudou a alcançar uma ereção normal depois que o pênis foi injetado com solução salina.

Alerta de colesterol alto: cardiologista elenca os quatro piores alimentos para o problema

“Nosso trabalho nesta fase se concentra no reparo de um único tecido no pênis, e o próximo estágio será considerar o reparo do defeito peniano geral ou a construção de um pênis artificial de uma perspectiva holística”, disse Shi.

O pesquisador tem planos de restaurar e reparar outros tipos de tecidos, incluindo o coração e a bexiga.