Cientistas da USP levam IgNobel 2022 por estudar como intestino preso afeta sexo de escorpiões

*** FOTO DE ARQUIVO *** RIBEIRÃO PRETO, SP, 15.01.2013 - Escorpiões da espécie Tityus serrulatus criados no Centro de Controle de Zoonoses de Ribeirão Preto (SP). Aumentou em 9% o nº de picadas de escorpião em 2012 em Ribeirão Preto ante o ano anterior. (Foto: Márcia Ribeiro/ Folhapress)
*** FOTO DE ARQUIVO *** RIBEIRÃO PRETO, SP, 15.01.2013 - Escorpiões da espécie Tityus serrulatus criados no Centro de Controle de Zoonoses de Ribeirão Preto (SP). Aumentou em 9% o nº de picadas de escorpião em 2012 em Ribeirão Preto ante o ano anterior. (Foto: Márcia Ribeiro/ Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - Pesquisadores da USP (Universidade de São Paulo) são os vencedores de uma das dez categorias do IgNobel de 2022. O prêmio anual, que está em sua 32ª edição e reconhece estudos aparentemente absurdos ou inúteis, é conhecido por "primeiro fazer as pessoas rirem e, depois, pensarem".

Os cientistas venceram a categoria de Biologia com uma pesquisa que mostra o efeito da constipação intestinal em escorpiões, devido à perda da cauda, no acasalamento entre esses animais.

A colombiana Solimary Garcia-Hernandez e o brasileiro Glauco Machado, líderes da pesquisa, foram premiados na transmissão online do evento, realizado nesta quinta-feira (15), pela equipe da revista Annals of Improvable Research.

O estudo brasileiro demonstra que os escorpiões do gênero Ananteris ficam com o intestino preso quando ejetam sua própria cauda para fugirem de predadores. É nessa parte do corpo que está o ânus dos animais.

Sem o ferrão e sem conseguir eliminar as fezes, eles se tornam mais lentos ao longo do tempo e diminuem suas chances de capturar presas maiores.

De acordo com o trabalho, essa diminuição no movimento dos machos também pode prejudicar a busca por parceiras. A perda da cauda, no entanto, não impede a procriação --ela só passaria a ocorrer em menor quantidade.

Cada ganhador recebe uma nota de 10 trilhões de dólares do Zimbábue, que quase não tem valor. Em 2020, líderes mundiais como Jair Bolsonaro (PL) e o ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump foram escolhidos na categoria Educação Médica, pela forma com a qual conduziram a saúde pública durante da pandemia de Covid-19.

VEJA A LISTA COMPLETA DE VENCEDORES DO IGNOBEL 2022

Cardiologia aplicada

As batidas cardíacas de casais ficam sincronizadas quando se encontram pela primeira vez

Literatura

O que torna documentos jurídicos desnecessariamente difíceis de entender

Biologia

O efeito da constipação sobre a vida sexual dos escorpiões

Medicina

Uso do sorvete para prevenir inflamações na mucosa oral durante quimioterapia

Engenharia

Como usar os dedos para abotoar da maneira mais eficiente possível

História da Arte

Estudo sobre cenas rituais de enema em cerâmica Maia

Física

Como os filhotes de pato conseguem nadar em formação

Prêmio da Paz

Um algoritmo que ajuda fofoqueiros a decidir quando dizer a verdade e quando mentir

Economia

Por que, matematicamente, o sucesso é uma questão de sorte, e não de talento

Engenharia de Segurança

Criação de um manequim de teste de colisão de alces em veículos