Cientistas desvendam mistério sobre origem de rajada de ondas de rádio na Via Láctea

Jonathan Amos - Correspondente de Ciência da BBC
·4 minuto de leitura
O telescópio Chime observa o céu na província canadense de British Columbia
O telescópio Chime observa o céu na província canadense de British Columbia

Cientistas deram um novo passo rumo a decifrar um dos sinais mais enigmáticos do Universo.

Eles conseguiram rastrear uma rajada curta e brilhante de ondas de rádio até um tipo de estrela morta altamente magnetizada, conhecida como magnetar (ou magnetoestrela).

É a primeira vez que uma rajada rápida de rádio — ou FRB , por sua sigla em inglês — foi localizada em uma fonte específica.

Esses tipos de fenômenos astrofísicos foram detectados pela primeira vez em 2007. Desde então, eles têm sido um dos assuntos mais comentados por astrônomos.

A nova descoberta, mencionada em três estudos publicados quinta-feira na revista científica Nature, foi feita por dois conjuntos de radiotelescópios independentes na América do Norte.

Observatório

As observações, coincidindo com as de outras estruturas astronômicas no espaço e em solo, ajudaram a descrever o evento e fortalecer sua interpretação.

Uma imagem de uma rápida explosão de rádio (em verde), registrada pelo telescópio Gemini North no Havaí
Uma imagem de uma rápida explosão de rádio (em verde), registrada pelo telescópio Gemini North no Havaí

A fonte do magnetar é designada por cientistas pela complexa fórmula SGR 1935 + 2154.

Fica a cerca de 30 mil anos-luz de distância, o que é interessante porque até agora todas as detecções anteriores desses tipos de rajadas vieram de fora da nossa galáxia, a Via Láctea.

As propriedades das recém-detectadas em nossa galáxia, no entanto, são muito semelhantes às de outras rajadas do tipo que ocorrem além da Via Láctea.

Evento luminoso

O evento ocorreu no dia 28 de abril deste ano. Durou cerca de um milissegundo, mas era extremamente brilhante.

Estrela magnetar contra um céu estrelado escuro. Os elementos desta imagem foram fornecidos pela NASA
Em um milissegundo, magnetar emitiu tanta energia em ondas de rádio quanto o nosso Sol em 30 segundos. (Ilustração em arquivo com itens fornecidos pela NASA).

"Fomos capazes de determinar que a energia espalhada é comparável às energias de rajadas de rádio extragalácticas rápidas. Em apenas um milissegundo, este magnetar emitiu tanta energia em ondas de rádio quanto (nosso) Sol em 30 segundos", explicou Christopher Bochenek, que liderou o projeto e construção da rede de receptor de rádio Stare2, que se estende pelos Estados americanos da Califórnia e do Utah (EUA).

Já em 2007, os magnetares eram os principais suspeitos da origem dos FRBs.

Magnetares são um tipo de estrela de nêutron: objetos estranhos e compactos em que a matéria foi comprimida em um volume muito pequeno. É um estado a que algumas estrelas normais podem se reduzir quando ficam sem combustível e colapsam sobre si mesmas.

Rapid Radio Bursts (FRBs) são flashes de radiação de luz que atraíram a atenção dos cientistas por anos
Rapid Radio Bursts (FRBs) são flashes de radiação de luz que atraíram a atenção dos cientistas por anos

Os magnetares, como o nome sugere, têm fortes campos magnéticos, bilhões de vezes mais intensos que o campo magnético da Terra, por exemplo.

A teoria sugere que esses objetos podem disparar enormes quantidades de energia que, então, colidem com seus arredores, o que, por sua vez, gera grandes emissões de ondas de rádio e outros comprimentos de onda.

Essa é uma ideia, mas muitos outros modelos foram propostos.

Outras fontes

"Dada a distância da fonte, esta é a explosão de rádio mais brilhante já detectada em nossa própria galáxia", disse Daniele Michilli da equipe que opera o telescópio Chime na província canadense de Colúmbia Britânica.

magnetar
Um magnetar ou magnetoestrela é um tipo de estrela de nêutrons alimentada por um campo magnético muito poderoso

"A luminosidade ainda é menor do que a de rajadas de rádio rápidas (vindas de fora de nossa Via Láctea), mas mostra que magnetares podem liberar uma grande quantidade de energia de rádio com propriedades como FRBs, o que implica que pelo menos (alguns) FRBs provavelmente vêm de magnetares."

Bing Zhang, que trabalha no novo radiotelescópio gigante da China — o observatório FAST (telescópio esférico de abertura de 500 metros), também chamado de Tianyan — disse que outras possíveis fontes de FRB estão sendo investigadas.

Por exemplo, elas podem estar colidindo com estrelas gigantes e estrelas de nêutrons que experimentam um colapso adicional para se tornar um buraco negro, um evento chamado de blitzar.

Esses fenômenos poderiam explicar a classe de explosões que parecem ser eventos únicos.

"Mas até agora, ainda não temos nada para apoiar esses cenários", disse ele a repórteres. "Se eles existem, devem ser muito, muito raros. Apenas uma pequena fração de rajadas rápidas de rádio pode ser catastrófica."

  • Já assistiu aos nossos novos vídeos no YouTube? Inscreva-se no nosso canal!