Cientistas lançam plano para salvar civilização de catástrofe climática

·4 min de leitura

GLASGOW, ESCÓCIA (FOLHAPRESS) - Barrar já o desmatamento é crucial para permitir que o aquecimento global seja contido e revertido no futuro, afirmam cientistas de todo o mundo em uma carta de ações para evitar danos irreversíveis ao planeta.

O documento foi publicado na quinta (11), enquanto ainda se desenrolavam as negociações da COP26, Conferência do Clima da ONU que terminou neste sábado (13) com um acordo considerado aquém do desafio imposto pelo aquecimento global.

Talvez já antevendo o desfecho do encontro em Glasgow (Escócia), o grupo, que reúne acadêmicos, economistas e especialistas em governança e em políticas públicas, apresentou o que chamou de um "plano Marshall para salvar a civilização" --uma comparação com o plano apresentado pelos Estados Unidos para reconstruir a Europa destruída pela Segunda Guerra Mundial.

A carta detalha prioridades e passos que deveriam ser tomados até 2026, 2030 e 2050. Segundo o grupo, os cientistas decidiram substituir os alertas feitos anteriormente por uma proposta concreta de ação "antes que não haja mais estrada a percorrer".

Os cientistas publicaram seu primeiro alerta sobre "emergência climática" em 1992, época da conferência realizada no Rio, e uma segunda versão da advertência, divulgada em 2017, já superou 15 mil assinaturas de cientistas.

"Apesar disso, houve poucas ações bem-sucedidas e os indicadores climáticos pioraram, mesmo com a pandemia de Covid, que reduziu a mobilidade."

Segundo os cientistas, a mudança climática é a mais conhecida, mas não a única evidência de que os homens colocaram o planeta em risco.

Eles elencam alguns danos já irreversíveis, como a elevação do nível do mar e a perda de gelo no Ártico, que levará no mínimo um milênio --ou 40 gerações-- para ser restaurado.

Outros desastres incontroláveis são ainda desconhecidos, porque sistemas naturais complexos sob estresse, como o clima, não mudam de forma gradual ou previsível, dizem os cientistas.

Além disso, mesmo com todas as promessas feitas pelos países na COP26, o mundo caminha para um aquecimento de mais de 2,4º C em relação ao período pré-industrial, segundo relatório recém-divulgado da CAT, a mais importante coalizão de monitoramento climático do mundo.

"A civilização enfrenta uma encruzilhada histórica, mas com resultados potencialmente muito melhores se agirmos agora", escrevem os signatários da nova carta, que afirmam ser fundamental uma cooperação entre países de diferentes culturas e sistemas: "Nossos maiores desafios não são técnicos, mas sociais, econômicos, políticos e comportamentais".

Os níveis de gás carbônico atuais, 48% mais altos do que os do período pré-industrial, exigem que as emissões de gases poluentes sejam cortadas pelo menos à metade até o final desta década, de acordo com os cientistas.

A ação é necessária em seis áreas, dizem eles: energia, poluentes, natureza, sistemas alimentares, estabilização da população e metas econômicas.

Para que o aquecimento seja revertido após esse primeiro momento de contenção, "temos que interromper imediatamente a destruição e negociação dos sistemas que capturam carbono, como florestas, pastagens e terras úmidas", afirmam eles.

O papel do brasil

O desmatamento é o principal responsável pelas emissões de gases de efeito estufa no Brasil: mais da metade (55%) vem de corte de árvores e queimadas, um número que vem crescendo nos últimos dois anos.

Dados divulgados pelo sistema Deter, do Inpe, registraram um recorde de devastação da Amazônia para um mês de outubro desde que a série histórica começou a ser feita, em 2016.

O plano dos cientistas nessa área prevê reduzir até 2026 e interromper até 2030 a destruição de ecossistemas naturais, incluindo os dos arredores de cidades, por meio de políticas de adensamento urbano, rezoneamento e reaproveitamento de áreas --plantando árvores em estacionamentos ou extensos gramados, por exemplo.

Também recomenda remover poluentes como pesticidas, restaurar áreas degradadas (não só as plantas, mas grandes animais, insetos, fungos, bactérias e outros componentes do ecossistema original) e zerar a queima de madeira para produzir energia, que, de acordo com o grupo, é mais prejudicial que a queima de carvão, além de reduzir a capacidade de absorção da cidade.

Outro ponto de ação que afeta diretamente ao Brasil é o que se refere à produção de alimentos ---a agropecuária responde por 23% das emissões do país, sem contar outras partes da cadeia de alimentação, como transporte e processamento.

Segundo os cientistas, os impactos da produção de alimentos "já estão muito além dos níveis que atendem às metas de saúde planetária". O setor responde por mais de um quarto das emissões de gases de efeito estufa no mundo, por cerca de 70% do uso de água doce, pela maior parte do desmatamento e pelo escoamento de nutrientes para cursos d'água, poluindo-os.

A carta afirma que "a redução da demanda por carne e laticínios e a mudança para padrões alimentares baseados em plantas fornecem os maiores benefícios em todo o conjunto de impactos ambientais do sistema alimentar", por reduzir a necessidade de terra, água, pesticidas, fertilizantes e cortar a emissão de gases poluentes.

Outras políticas necessárias são as de reduzir o desperdício de alimentos, aumentar a eficiência do uso da água, e adotar práticas agrícolas menos degradantes do meio ambiente.

"Ainda é concebível que a humanidade possa evitar grandes fomes neste século. Mas a convergência de gargalos de recursos e crises ambientais exige ação urgente em todo o sistema alimentar global em muitas frentes simultaneamente", afirma o documento.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos