Cientistas tentam descobrir como gatos se recuperam rapidamente da Covid-19

O Globo
·3 minuto de leitura

RIO — Cientistas da Letônia descobriram que nenhum gato no país teve teste positivo para o novo coronavírus, apesar de muitos possuírem anticorpos. Diante disso, pesquisadores da Universidade de Ciências da Vida e Tecnologias da Letônia começaram a estudar a progressão do vírus nesses animais, de acordo com o jornal Jerusalem Post.

Embora já tenha sido comprovado que os felinos — de gatos domésticos a leões — podem contrair Covid-19, eles parecem se recuperar muito mais rapidamente do que os humanos. Consequentemente, nem um único gato na Letônia já testou positivo para o vírus. No entanto, muitos testaram positivo para anticorpos, o que indica que em algum momento eles foram infectados.

Os pesquisadores já testaram 130 gatos e acreditam que os gatos desenvolveram uma forma de combater o vírus. “Os gatos podem espalhar o vírus muito brevemente, porque mesmo nos casos em que o contato com uma pessoa positiva foi muito próximo, eles apresentam sinais clínicos, como inflamação das vias respiratórias superiores, mas não foi possível detectar o SarsCoV-2 em amostras respiratórias”, disse o professor Kaspars Kovalenko da Faculdade de Medicina Veterinária da LLU, de acordo com a Televisão da Letônia.

No Brasil

O primeiro animal de estimação a testar positivo para o coronavírus Sars-CoV-2 do Brasil foi descoberto em Cuiabá, Mato Grosso. É uma gatinha de poucos meses. Ela não tem sintomas da Covid-19 e contraiu a doença de seus donos este mês. A possível infecção de outro gato e de um cachorro está em estudo. A gatinha foi testada positiva pelo exame molecular de PCR, padrão ouro para o coronavírus, pela pesquisadora Valéria Dutra, professora da Faculdade de Medicina Veterinária da Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), em Cuiabá.

A cientista adverte que pessoas infectadas pelo coronavírus devem se manter isoladas de seus animais. A gata foi infectada pelo Sars-CoV-2 porque teve contato com os donos durante o período de isolamento deles.

O caso acende o alerta para o risco de as pessoas transmitirem o coronavírus para os animais. Investiga-se a hipótese de estes poderem, então, contaminar gente e outros bichos. Isso não só aumentaria os meios de transmissão quanto os reservatórios do vírus, apesar de, por ora, sejam somente hipóteses, sem comprovação.

Em laboratório, na China, mostrou-se ser possível que gatos transmitam a doença para outros felinos. Mas não se sabe se podem transmitir para seres humanos e sequer se o contágio entre felinos é fácil. A suposição é de que não não seja.

— Minha preocupação é que os animais infectados levem o coronavírus para mais animais e pessoas. No caso do gato é ainda mais complexo do que no do cão porque gatos que moram em casas muitas vezes saem de seu domicílio livremente — afirma Valéria Dutra.

Pouco se sabe sobre a Covid-19 em pets e há menos de 20 casos de cães e gatos comprovadamente infectados no mundo e relatados em literatura científica.

Os gatos, pelo que se viu até agora, são mais suscetíveis do que os cães, explica Alexander Biondo, do Departamento de Medicina Veterinária da Universidade Federal do Paraná (UFPR), um dos poucos cientistas brasileiros a investigar a Covid-19 em pets.

Coordenador do maior estudo para estudar o coronavírus em cães e gatos no Brasil, Biondo também é um dos autores principais da mais completa revisão internacional sobre o Sars-CoV-2 em animais, aceita para publicação pela “Frontiers in Veterinary Science”.