Cientistas vão à Justiça em busca da 'paternidade' do Bitcoin

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·5 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Homem alega que seu irmão e cientista australiano criaram a plataforma de criptomoedas Bitcoin;

  • Paternidade do Bitcoin é atribuída a um homem com o pseudônimo Satoshi Nakamoto;

  • Ira Kleiman quer direito a "divisão da paternidade" do Bitcoin e de uma herança de R$ 390 bi;

Uma batalha pelo direito de ser chamado de "pai do bitcoin" se desenrolou nos últimos dias em um tribunal da Flórida, com Ira Kleiman, irmão do falecido especialista em segurança de computadores David Kleiman, alegando na justiça que seu irmão e o cientista australiano Craig Wright criaram a plataforma de criptomoedas, que é hoje vinculada a um homem com o pseudônimo de Satoshi Nakamoto, de acordo com informações do jornal New York Post.

Leia também:

Uma das principais características do sistema de pagamento totalmente descentralizado é que seu criador, ou grupo de criadores, permanece anônimo até hoje, apesar das inúmeras tentativas da imprensa mundial para identificar o criador da criptomoeda de maior valor da história, o criador só é conhecido pelo pseudônimo Satoshi Nakamoto, que de acordo com informações dos tribunais colhidas pela agência Sputnik, pode ser o cientista australiano Craig Wright.

"Divisão da paternidade" envolve herança bilionária e real identidade de Satoshi Nakamoto

A ação judicial está em andamento em West Palm Beach, Flórida. E a herança de Nakamoto parece ser enorme, para dizer o mínimo - de acordo com as estimativas do New York Post, no momento é de cerca de US$ 70 bilhões (R$ 390 bi), o que faz os herdeiros de David Kleiman brigarem com Wright, que afirma ter criado a moeda sozinho, sem a ajuda de ninguém.

E, como resultado, Ira Kleiman argumenta que tem direito a metade da fortuna digital de Wright, o que o tornaria atualmente a 15ª pessoa mais rica do planeta se ele for de fato o criador da criptomoeda, com mais de 1,1 milhão de tokens Bitcoin extraídos por Nakamoto. David Kleiman morreu em 2013, e o mais importante para o processo, segundo a agência Sputnik, é que, se havia um estoque de Bitcoin, este nunca foi encontrado e nenhuma senha foi descoberta.

A identidade do verdadeiro criador do Bitcoin permaneceu em dúvida nos últimos anos, mas segundo relatos, o cientista australiano Craig Wright é o único indivíduo que se apresentou para reivindicar ser Satoshi Nakamoto. De acordo com o portal Coindesk, o homem de 51 anos afirmou ter produzido o papel branco que descreve o funcionamento interno do Bitcoin e foi creditado a Satoshi Nakamoto enquanto aparecia no banco das réus no início deste mês na Flórida.

Porém, nem todos acreditam que Wright seja o verdadeiro criador. De acordo com o pesquisador de segurança Dan Kaminsky, quando o australiano tentou produzir evidências de que ele era o único criador do Bitcoin, fornecendo a assinatura de transação digital de Satoshi, ele "copiou essa assinatura específica [das transações originais de 2009] e tentou apresentá-la como nova", declarou em sua conta no Twitter.

Wright nasceu e foi criado em Brisbane, Austrália, e afirma ter um PhD em ciência da computação pela Charles Stuart University de lá. Um ex-empregador de Wright, Stefan Matthews, afirmou que logo depois de se conhecerem, Wright "falou comigo sobre ouro digital e dinheiro digital e ele tinha oito ou nove conceitos diferentes para eles".

E em 2008, um ano crucial para o Bitcoin, Wright deu a Matthews um pen drive e pediu-lhe que baixasse um documento na esperança de que ele o lesse e fornecesse feedback sobre o trabalho. O Bitcoin acabou sendo lançado em janeiro de 2009, supostamente pelo próprio Nakamoto. Matthews afirmou que Wright e Kleiman "se comunicaram pela primeira vez em 2007 ou 2008". Enquanto isso, de acordo com o New York Post, citando a ação judicial obtida, Kleiman disse a seu irmão Ira no Dia de Ação de Graças de 2009 que "ele estava criando 'dinheiro digital' com um homem estrangeiro rico, ou seja, Craig".

Quanto a Wright, até dezembro de 2015, ele manteve sua suposta identidade de Satoshi Nakamoto em segredo, e ninguém sabia que ele era o inventor da criptomoeda, até que alguns veículos de imprensa, como a revista Wired, divulgaram que ele era. E, desde 2016, Wright adota a estratégia de admitir sua autoria em uma moeda que cresce continuamente em popularidade. Ele prometeu gastar mais de um milhão de moedas para provar que as tinha em sua posse, mas acabou voltando atrás.

A história de Wright chegou a ser confirmada pelo atual chefe da Fundação Bitcoin, Gavin Andersen, que em 2016 disse que se encontrou com Wright e estava convencido de que ele era o próprio Nakamoto que lhe entregou as rédeas do projeto em 2011. Mas depois de um tempo, e como muitas informações diferentes e até mesmo boatos continuaram a se espalhar, ele mudou sua opinião sobre Wright, lamentando ter se envolvido na busca pelo verdadeiro Nakamoto.

Porém, muitos outros acreditam sugeriram em domínio público que nem Wright, nem Kleiman, estiveram envolvidos no desenvolvimento do Bitcoin. Durante os primeiros anos da existência do Bitcoin, Satoshi Nakamoto se correspondia com um pequeno grupo de entusiastas da criptografia diariamente por e-mail e outros fóruns de mensagens, mas nunca por telefone ou pessoalmente. Mas em 26 de abril de 2011, Nakamoto desapareceu, deixando para trás uma carta de despedida para a comunidade que concluía, "Eu mudei para outras coisas", e não se tem mais notícias sobre seu paradeiro desde então.

O Bitcoin começou em 2008, quando "Nakamoto" publicou um documento de código aberto online apresentando um novo tipo de moeda digital que poderia ser utilizado sem o uso de um banco central. Foi originalmente avaliado em menos de um centavo. Atualmente, cada moeda é avaliada em cerca de US$ 57 mil (cerca de R$ 318 mil). 

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos