Cinco adolescentes detidos em Hong Kong pela morte de homem em protesto

Hong Kong é cenário há seis meses da pior crise desde sua devolução à China em 1997, com atos praticamente diários para exigir reformas democráticas

Cinco adolescentes foram detidos em Hong Kong acusados de participação na morte de um homem, atingido por um tijolo na cabeça durante confrontos entre manifestantes pró e contrários ao governo em novembro, anunciou a polícia neste sábado.

Os três homens e duas mulheres, com idades entre 15 e 18 anos, foram detidos na sexta-feira e acusados de homicídio, distúrbios e agressões. No momento estão em prisão provisória e aguardam a investigação, de acordo com a polícia.

Em meados de novembro, um homem de 70 anos foi atingido por um tijolo na cabeça quando tentava retirar as barricadas erguidas por militantes pró-democracia.

Os protestos estavam em uma fase mais violenta, com a estratégia batizada de "Eclosão em todos os lugares", que consiste e, multiplicar os atos, sobretudo de vandalismo, para tentar esgotar a polícia.

As imagens do protesto mostram diversos grupos de manifestantes lançando tijolos e um homem no chão depois de ser atingido por uma das peças. O idoso morreu no dia seguinte no hospital.

Menos de uma semana antes, o estudante Alex Chow, 22 anos, faleceu depois de cair de um estacionamento de vários andares durante os confrontos.

As circunstâncias da queda permanecem obscuras, mas o movimento pró-democracia acusa a polícia de violência.

Três dias depois da morte de Alex Chow, outro estudante de 21 anos foi atingido por um tiro, disparado pela polícia, no abdome. O vídeo foi exibido ao vivo no Facebook e o incidente provocou novos confrontos, sobretudo nas universidades da cidade.

A ex-colônia britânica enfrenta desde junho a pior crise desde sua devolução à China em 1997, com atos praticamente diários para exigir reformas democráticas e pedir uma investigação sobre o comportamento da polícia.

O movimento nasceu de um projeto de lei que pretendia autorizar extradições para a China. O texto foi retirado, mas os manifestantes ampliaram suas reivindicações para exigir mais democracia.

As últimas semanas registraram uma queda da violência, após a vitória por ampla margem dos candidatos pró-democracia nas eleições locais de 24 de novembro.