Cinco anos de prisão no Paquistão para suposto autor intelectual de atentados de Mumbai

·1 minuto de leitura
Zaki-ur-Rehman Lakhvi

Um dos supostos autores intelectuais dos ataques de Mumbai, que mataram 166 pessoas em 2008, foi condenado nesta sexta-feira (8) a cinco anos de prisão por um tribunal em Lahore, Paquistão, por financiamento do terrorismo.

Zaki ur Rehman Lakhvi, de 60 anos, é um dos líderes do Lashkar-e-Taiba (LeT), uma organização agora proibida, acusada pela Índia e pelos Estados Unidos de estar por trás dos ataques em Mumbai.

Ele foi condenado a três penas de prisão de cinco anos por acusações de financiamento do terrorismo, de acordo com a sentença consultada pela AFP.

As três sentenças não podem ser acumuladas e devem ser cumpridas simultaneamente.

O homem foi preso em Lahore no sábado pelos serviços de contraterrorismo da província de Punjab. Eles o acusaram de usar a clínica que dirigia na cidade para arrecadar fundos para suas atividades.

Zaki ur Rehman Lakhvi é considerado o chefe operacional e militar do LeT pelo Conselho de Segurança da ONU, que o acusa de ter realizado atividades na Chechênia, Bósnia, Iraque e Afeganistão, entre outros lugares.

Em 2015, foi libertado da prisão pelo Paquistão após um longo processo político e judicial que afetou as relações do país com a Índia.

Ele foi um dos sete suspeitos acusados e presos no Paquistão em conexão com os ataques de Mumbai.

A Índia, que vê a mão dos serviços de inteligência paquistaneses após esses ataques, lamenta que os supostos responsáveis não tenham sido julgados pelo Paquistão ou não tenham sido entregues a ela.

kf-sjd/cyb/ia/pc/eg/mr