Cinco mil livros serão distribuídos em ação nos Complexos do Alemão e da Penha neste sábado

Em alusão à ação de pacificação feita pelas forças de segurança nos Complexos do Alemão e da Penha, na Zona Norte do Rio, em 2010, o projeto social "Invasão de Livros", criado pelo Voz das Comunidades, chega a sua terceira edição neste sábado. Como forma de protesto à falta de investimento nas favelas, a ação leva, por meio de livros, cultura aos moradores. Neste ano, cinco mil exemplares serão distribuídos gratuitamente em 15 pontos das comunidades.

Gravada em Copacabana: Educação e transtornos mentais são temas de série

Revitalização: Com licitação para gestão, Parque da Catacumba poderá ter restaurante

"Uma forma de protesto pelo fato de que há 12 anos o governo só entrou com a polícia. Foi criada uma expectativa muito grande em cima da própria comunidade para que as pessoas pudessem acreditar naquele momento que a cultura teria mais investimento naquela área. Mas, a Biblioteca Parque, por exemplo, está desativada há 6 anos, desde que o teleférico parou de funcionar, em 2016. Por isso, a iniciativa da invasão de livros é simbólica, pelo desserviço de promessas do governo de mudança social não cumpridas ao longo desses anos todos", afirma Renê Silva, fundador do Voz das Comunidades.

A iniciativa, criada em 2020, conta com o apoio do cantor e compositor Emicida, que doou mil exemplares nesta edição, assim como de outros famosos e instituições. Segundo o Voz das Comunidades, grande parte do material recebido é direcionado ao público infanto-juvenil. Ao todo, 70 voluntários são previstos para ajudar na ação.

Confira os locais de distribuição: Adeus, Fazendinha, Inferno Verde, Favela da Galinha, Casinhas, Mineiros, Campo do Sargento, Central, Favelinha da Skol, Alvorada, Nova Brasília, Merendiba, Terra Prometida, Vacaria e Vila Cruzeiro.