Cinco militares mortos e 35 civis sequestrados em ataques jihadistas na Nigéria

·2 minuto de leitura
Uma criança acena com a mão de dentro de um ônibus enquanto crianças sequestradas por Boko Haram da escola secundária de ciências do governo, em Kankara, no noroeste do estado de Katsina, na Nigéria, são vistas retornando após terem sido libertadas em 18 de dezembro de 2020. O Boko Haram tem intensificado os ataques a civis nas últimas semanas.

Jihadistas afiliados ao grupo Estado Islâmico na África do Oeste (Iswap) mataram no sábado (19) à noite cinco soldados nigerianos em uma emboscada contra um comboio militar no estado de Borno (nordeste da Nigéria), anunciaram neste domingo (20) fontes de seguraça.

Os combatentes deste ramo do Boko Haram, afiliado ao grupo Estado Islâmico (EI), também sequestraram 35 pessoas na sexta-feira e mataram uma mulher em um ataque contra outro comboio de civis na mesma região, segundo indicaram outras duas fontes de segurança.

No sábado à noite, um grupo de jihadistas, armados com lança-foguetes, abriram fogo contra um comboio militar nas proximidades da cidade de Mafa, à 44 quilômetros de Maiduguri, capital do Estado de Borno.

"Os terroristas lançaram uma granada contra o comboio que atingiu um veículo no qual se encontravam cinco soldados", declarou uma fonte da segurança à AFP, que pediu anonimato.

"Os cinco soldados morreram", segundo esta fonte. O balanço foi confirmado por outra fonte da segurança, que informou que os insurgentes se apossaram de dois veículos militares.

O ISWAP, que se dividiu do Boko Haram em 2016, tem concentrado seus ataques contra as forças-armadas e já matou dezenas ou centenas de soldados nigerianos, também são registrados ataques contra civis, algo que é cada vez mais recorrente.

Na tarde de sexta-feira, jihadistas tentaram uma emboscada contra um comboio de veículos que levavam civis, em uma autoestrada que liga Maiduguri com Damaturu, uma cidade situada no Estado de Yobe (aldeia).

"Os insurgentes chegaram em cinco caminhões equipados com metralhadoras e levantaram barricadas na autoestrada. Sequestraram 35 pessoas e as executaram uma a uma", declarou o responsável por uma milícia anti-jihadista pró-governamental, Umar Ari à AFP.

Os jihadistas saquearam nove veículos dos viajantes, incendiaram um caminhão e dois carros.

Mais de 36.000 pessoas já morreram e 2 milhões tiveram que abandonar seus lares na última década pela violência causada no noroeste da Nigéria.

bur/zm-jvb/eg/gf