Ciro acompanha PDT em apoio a Lula, mas não cita nome de petista em pronunciamento

Ciro Gomes disse apoiar a decisão do PDT de estar com Lula no 2º turno, mas não mencionou o nome do petista (Foto: STEPHAN EILERT/AFP via Getty Images)
Ciro Gomes disse apoiar a decisão do PDT de estar com Lula no 2º turno, mas não mencionou o nome do petista (Foto: STEPHAN EILERT/AFP via Getty Images)

Derrotado no 1º turno da eleição presidencial, Ciro Gomes (PDT) divulgou um vídeo nas redes sociais para endossar o apoio do partido dele, o PDT, ao ex-presidente Lula (PT). No entanto, durante a fala, Ciro sequer mencionou o nome do petista.

No vídeo gravado, o ex-presidenciável lamentou a situação política do país. "Por unanimidade, tomamos uma decisão. E eu gravo esse vídeo para dizer que acompanho a decisão do meu partido, o PDT. Frente às circunstâncias, é a última saída. Lamento que a trilha democrática tenha se afunilado a tal ponto que reste para os brasileiros duas opções, ao meu ver, insatisfatórias", afirmou.

"Não acredito que a democracia esteja em risco nesse embate eleitoral, mas sim nesse absoluto fracasso da nossa democracia em construir um ambiente de oportunidade, em frente a uma crise social que humilha a imensa esmagadora do nosso povo."

Ciro Gomes ainda afirmou ter sido "vítima de uma campanha violenta" e negou que, em algum momento, tenha se ausentado de lutar pelo país. O pedetista pediu uma renovação dos protagonistas da política brasileira.

"Espero que essa decisão ajuda a oxigenar, temporariamente que seja, a nossa democracia. Mas, se não houver a busca de novos ares, de novo instrumentos, estaremos à mercê de um respirador artificial frágil e precário, limitadíssimo no tempo e no espaço", disse.

Sem dizer qual será o rumo político que seguirá após a derrota na eleição, Ciro afirmou: "Minha luta e a do PDT seguirá sempre firme". O político negou que vá pleitear ou mesmo aceitar cargos em qualquer governo que assuma a partir de janeiro de 2023.

"Fiquem certos que, como sempre fiz, vou fiscalizar, acompanhar e denunciar qualquer desvio do governo que assuma em janeiro", finalizou.

Pronunciamento do PDT

O presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, afirmou nesta terça-feira (4) que, por decisão unânime, o partido apoia o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no segundo turno das eleições presidenciais.

No primeiro turno, a legenda teve Ciro Gomes como candidato à Presidência da República. O pedetista, porém, recebeu 3,5 milhões de votos (3%), ficando em quarto lugar na disputa.

"O que está em risco hoje são duas personalidades completamente diferentes: de um lado, o Lula, que é um democrata; do outro lado, um aspirador a ditador, que é o Bolsonaro", avaliou Lupi.