Ciro chama presidente do PSOL de ignorante e pede respeito a Aldo Rebelo

  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
·3 min de leitura
Neste artigo:
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
  • Opa!
    Algo deu errado.
    Tente novamente mais tarde.
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 22.02.2022 - Pré-candidato à Presidência pelo PDT, Ciro Gomes. (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)
***ARQUIVO***SÃO PAULO, SP, 22.02.2022 - Pré-candidato à Presidência pelo PDT, Ciro Gomes. (Foto: Mathilde Missioneiro/Folhapress)

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) - O presidenciável do PDT, Ciro Gomes, se irritou após o presidente do PSOL, Juliano Medeiros, chamar o ex-ministro Aldo Rebelo de "fascista de esquerda". Durante live realizada na terça-feira (19), o pedetista afirmou que Medeiros é ignorante e o acusou de fazer um discurso moralista.

"O Brasil está doente, e boa parte dessa doença é essa gente de esquerda de goela que não tem compromisso com o povo e que tem a decência relativizada. A única corrupção que incomoda essa gente é a dos outros, porque se for a da turma deles, fica tudo calado. Não é, não, seu Juliano?", afirmou Ciro Gomes.

"Seu Juliano, respeita o Aldo Rebelo. Respeita o Aldo Rebelo. Vá aprender a cozinhar, vá aprender a andar, tirar os coelhos da b* para falar mal de um homem com a estatura moral e política de Aldo Rebelo. Que será, se Deus quiser, o senador por São Paulo. Entra aí para concorrer com ele. Ignorante", continuou.

O pré-candidato à Presidência ainda criticou a aproximação entre PSOL e PT e a participação da esquerda em um jantar na casa do ex-presidente do Senado Eunício Oliveira (MDB), que contou com a presença do ex-presidente Lula (PT).

"Eu vi o PSOL nascendo", disse Ciro. "O PSOL nasceu de uma costela do PT. Quando o Lula começou a governar, naquela hora crítica, eles foram embora denunciando corrupção do governo Lula, denunciando conservadorismo do governo Lula", afirmou.

"Agora que o Lula virou essa podridão notória, e o mundo inteiro sabe, os caras vêm agora... Mas tudo bem, faça o que quiser, mas vamos respeitar as outras pessoas. O Aldo Rebelo é um estadista", disse em seguida.

A declaração do presidente do PSOL sobre o ex-ministro da Defesa foi feita em comentário nas redes sociais, em resposta a um usuário que citou Rebelo como uma candidatura da esquerda ao Senado.

Questionado pela reportagem sobre o comentário, Juliano Medeiros complementou: "Ele é contra a luta de mulheres, negros e negras, LGBTs. O centro de sua agenda é ultranacionalista, contra o direito de indígenas. É alinhado com a política externa bolsonarista. Esse cara é um horror", afirmou na terça (19).

Aldo Rebelo, por sua vez, ironizou o comentário do presidente do PSOL. "Coisa de quem não tem o que fazer. É falta de argumento", disse à reportagem.

"Quem não concorda com o Bolsonaro é comunista. Se discordar dele, já é comunista. Se discordar desse pessoal [do PSOL], é fascista. Isso não explica nada para ninguém, só esconde o que as pessoas pensam atrás desse chavão", afirmou.

O ex-ministro ainda disse não conhecer Juliano Medeiros pessoalmente, mas que a desavença entre ele o PSOL remonta a véspera da Copa do Mundo de 2014.

"Eles se juntaram com o [grupo] Vem Pra Rua e com o MBL para fazer aquele movimento 'Não Vai Ter Copa', saíram quebrando tudo pela rua. Eu dizia para a presidente Dilma que aquilo tinha que ser reprimido, senão eles iam impedir a Copa. Eles diziam que era fascismo", diz.

Rebelo pretende concorrer a uma cadeira no Senado pelo PDT de Ciro Gomes. O convite para a disputa foi feito publicamente pelo presidente da sigla, Carlos Lupi, em evento no início deste mês.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos