Ciro diz que Lula e Bolsonaro 'não têm como se explicar' em debates

Líderes nas pesquisas, Lula e Bolsonaro são cobrados pelos adversários, inclusive por Ciro, a participarem de debates. (Foto: AP Photo/Andre Penner)
Líderes nas pesquisas, Lula e Bolsonaro são cobrados pelos adversários, inclusive por Ciro, a participarem de debates. (Foto: AP Photo/Andre Penner)

Segundo Ciro Gomes, candidato à Presidência pelo PDT, o ex-presidente Lula (PT) e o presidente Jair Bolsonaro (PL) não participam dos debates porque ambos “não têm como explicar suas próprias contradições”. A fala do ex-ministro foi feita durante entrevista à TV Imaculada, na manhã desta sexta-feira, 12.

"Bolsonaro e Lula não estão aceitando participar dos debates porque ambos não têm como explicar suas próprias contradições", afirmou Ciro. "Nem a contradição moral da corrupção, nem a contradição do mesmo modelo econômico que praticam, que só produz desigualdade", completou o candidato.

De acordo com o pedetista, o país vive atualmente a maior crise da história e é necessário debater a situação durante o período eleitoral.

Nesta quinta, um debate que seria realizado em pool, com diversos veículos de imprensa, teve de ser suspenso por falta de confirmação das equipes de Lula e Bolsonaro sobre as participações dos candidatos. Líderes nas pesquisas de intenção de voto, o ex e atual presidente da República têm sido cobrados, principalmente por Ciro, a participarem dos eventos para discussão de ideais para o país.

Veja como foram as últimas pesquisas eleitorais de 2022:

"O que nós estamos assistindo no Brasil? Os dois candidatos que lideram as pesquisas porque são muito famosos, muito notórios. Cada qual tem a sua virtude, naturalmente, cada qual tem seus defeitos. Mas se combinaram para não vir aqui dar satisfação a vocês do que pensam desses problemas, como é que vão resolver esses problemas", questionou Ciro. O candidato também disse que os dois adversários defendem o mesmo modelo econômico, que transfere a renda dos trabalhadores para "10 mil famílias de barões do sistema financeiro".

Nesta sexta, Ciro também voltou a cobrar os adversários nas redes sociais. Segundo o presidenciável, é preciso ouvir o apelo “cívico e cristão” para que se faça o debate.

“Precisamos ouvir esse apelo cívico e cristão para que a gente faça o debate das nossas ideias e diferenças em um plano respeitoso – ainda que seja quente e caloroso. Matar, discriminar pessoas e dividir famílias é o que está rachando a nação. Temos que nos reconciliar!”, escreveu o ex-governador do Ceará.

Ciro acrescentou que a falta de participação nos debates acaba estimulando o “aprofundamento da polarização e do ódio” no país.

“A política nasce, como arte humana, pra substituir a violência. E a partir do momento em que os dois não aceitam debater diagnósticos, propostas e o futuro do Brasil, acabam estimulando esse aprofundamento da polarização e do ódio entre nosso povo”, argumentou o candidato.