Ciro 'se faz de vítima' e seu inimigo é 'a própria vaidade', diz neto de Brizola

Brazil presidential candidate Ciro Gomes speaks during a presidential debate in Sao Paulo, Brazil, Saturday, Sept. 24, 2022. (AP Photo/Marcelo Chello)
Brazil presidential candidate Ciro Gomes speaks during a presidential debate in Sao Paulo, Brazil, Saturday, Sept. 24, 2022. (AP Photo/Marcelo Chello)

Leonel Brizola Neto, candidato a deputado federal pelo PT, afirmou em vídeo publicado nas redes sociais que o presidenciável Ciro Gomes (PDT) “se faz de vítima” ao dizer que sofre violência política. Segundo o neto de Leonel Brizola, fundador do PDT, o maior inimigo do ex-ministro é na verdade a própria vaidade dele.

“Ciro Gomes cego de ódio e pensando somente em seu projeto pessoal e não no futuro do Brasil se faz de vítima, fingindo não entender que seu maior inimigo é a sua vaidade”, escreveu Brizola Neto no Twitter, na quarta-feira (28).

"Ciro, quem sofreu violência política foi Leonel Brizola, que amargou um exílio de 15 anos. E na década de 1980, quando governador do Rio de Janeiro, sofreu um profundo boicote do governo federal”, aponta Neto.

Ele acrescenta que Lula (PT) também teria sido alvo do tipo de violência ao ser preso “injustamente”, por mais de 500 dias “na farsa da Lava Jato” que impediu o petista de disputar as eleições de 2018, para a qual era o “franco favorito”.

Veja as últimas pesquisas eleitorais para presidente:

“Portanto, Ciro, você não tem legitimidade alguma para carregar a rosa vermelha tantas vezes empunhada pelo meu avô”

Ele ainda relembrou críticas do atual pedetista a Brizola, destacando uma manchete em que o ex-ministro chama o político gaúcho de supra-sumo do atraso”.

Segundo Brizola Neto, Ciro “finge não saber” que em 2002, o avô dele deixou de apoiar a candidatura do ex-governador do Ceará para apoiar Lula ainda em primeiro turno. “Leonel Brizola e Lula sempre estiveram juntos nos momentos mais cruciais da história”, afirma.

Ele diz ainda que Leonel avô e Lula nunca foram “irresponsáveis” com o destino do Brasil e jamais abandonariam a luta em defesa do povo brasileiro: “como você fez em 2018 viajando para Paris. Sendo degrau para a extrema direita chegar ao poder”, acusa.

Ele convoca brizolistas e pedestistas a observarem o “gesto de grandeza” de Leonel Brizola e ficarem ao lado de Lula para garantir vitória ao petista ainda em primeiro turno, para vencer o bolsonarismo que pode “acabar com o Brasil”.