Ciro Gomes erra ao falar sobre participação de Lula na Constituição de 88 ao Pânico

Ciro Gomes no Pânico: Candidato à Presidência Ciro Gomes em entrevista ao Pânico, da Jovem Pan, em 5 de setembro de 2022 (Foto: YouTube / Reprodução)
Ciro Gomes no Pânico: Candidato à Presidência Ciro Gomes em entrevista ao Pânico, da Jovem Pan, em 5 de setembro de 2022 (Foto: YouTube / Reprodução)
  • Na última segunda-feira (5), o candidato à Presidência Ciro Gomes concedeu uma entrevista ao Pânico, programa da Jovem Pan

  • Na conversa, ele tratou sobre diversos assuntos, como a participação de Lula na Constituinte de 88 e o número de pessoas no desalento, no desemprego e na informalidade

  • No entanto, o candidato mencionou informações erradas, confira a checagem do Yahoo! Notícias

Na última segunda-feira (5), o candidato à Presidência Ciro Gomes (PDT) participou de uma entrevista no programa Pânico da Jovem Pan. Na entrevista, Ciro falou sobre suas propostas e analisou o atual cenário do país. Além disso, o candidato tratou sobre a participação do também candidato e ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) na Constituição de 1988 e sobre a taxa de pessoas em condição de desemprego, desalento e informalidade.

Confira a checagem do Yahoo! Notícias sobre as declarações do candidato ao programa.

Ciro Gomes no Pânico: Candidato à Presidência Ciro Gomes em entrevista ao Pânico, da Jovem Pan, em 5 de setembro de 2022 (Foto: YouTube / Reprodução)
Ciro Gomes no Pânico: Candidato à Presidência Ciro Gomes em entrevista ao Pânico, da Jovem Pan, em 5 de setembro de 2022 (Foto: YouTube / Reprodução)

Lula e a Constituição de 1988

"Lula recusou-se a assinar a Constituição"

Candidato à Presidência Ciro Gomes em entrevista ao Pânico da Jovem Pan em 5 de setembro de 2022

É falso que Lula não tenha assinado o texto da Constituição Federal em 1988. O ex-presidente – à época deputado federal e líder do PT na Câmara e na Assembleia Constituinte – assinou a Carta, embora tenha votado contra o seu texto final anteriormente.

Na data da votação do texto, Lula orientou os constituintes a votarem contra o projeto. Porém, ele afirmou que o partido se comprometeria a assinar a Constituição:

"E o Partido dos Trabalhadores [...] vem aqui dizer que vai votar contra esse texto, exatamente porque entende que, mesmo havendo avanços na Constituinte, a essência do poder, a essência da propriedade privada, a essência do poder dos militares continua intacta nesta Constituinte [...] e, amanhã, por decisão do nosso diretório – decisão majoritária – o Partido dos Trabalhadores assinará a Constituição, porque entende que é o cumprimento formal da sua participação nesta Constituinte".

A última edição do Jornal da Constituinte, de 5 de outubro de 1988, informou que os únicos parlamentares que não assinaram o texto foram: Jessé Freire (PFL-RN), Felipe Cheide (PMDB-SP), Mário Bouchardet (PMDB-MG) e Ivan Bonato (PFL-SC).

Informação semelhante já foi reproduzida por Jair Bolsonaro e verificada pelo Yahoo! Notícias.

Desalento, desemprego e informalidade

"70 de cada 100 ou estão no desalento ou desempregados ou na informalidade"

Candidato à Presidência Ciro Gomes em entrevista ao Pânico da Jovem Pan em 5 de setembro de 2022

A taxa correta seria, na verdade, 50 de cada 100 pessoas. De acordo com os dados mais recentes – do segundo trimestre de 2022 – da PNAD Contínua do IBGE, há no Brasil 108.349.000 de pessoas na força de trabalho.

Em relação ao desemprego, são 10,1 milhões de pessoas desempregadas e 4,3 milhões de pessoas no desalento. Já o número de pessoas na informalidade totalizou 39,3 milhões no mesmo período. Juntos, esses números totalizam aproximadamente 53,7 milhões de pessoas no desemprego, desalento e informalidade, o que representa cerca de 50% da força de trabalho e não 70%.

A entrevista também foi checada pela Agência Lupa.