Irmãos de Ciro Gomes, crítico de Lula, entram na campanha de ex-governador petista

Ciro Gomes aparece em terceiros nas pesquisas de intenção de voto - Foto: AP Photo/Andre Penner
Ciro Gomes aparece em terceiros nas pesquisas de intenção de voto - Foto: AP Photo/Andre Penner

O senador cearense Cid Gomes (PDT) e o prefeito de Sobral (CE), Ivo Gomes (PDT), ambos irmãos do candidato à presidência da República Ciro Gomes (PDT) participaram, nesta sexta-feira(23) de ato de campanha do ex-governador Camilo Santana (PT), a quem frequentemente o pedetista presidenciável tem acusado de traição.

Nas redes sociais, Ivo Gomes publicou o registro do encontro entre ele, Cid e Camilo:

Na última semana, Ciro Gomes, que tem base eleitoral no Ceará, assumiu estar evitando fazer campanha na capital, Fortaleza, para “não ter tristeza” em decorrência da situação política.

“Não cancelei a agenda em Fortaleza não, apenas não quero ir, confesso a você”, disse Ciro Gomes (PDT). “Eu não tenho nem vontade de comentar, mas eu tenho tido notícias muito tristes do que tá acontecendo, sabe? É muito duro uma pessoa como eu, que dá a vida inteira para uma comunidade e preparar a vida dos líderes importantes, sentir a faca da traição. Então eu não quero ir lá pra não ter tristeza”, respondeu no último dia 16, à rádio CBN de Recife (PE).

Quando fala sobre traição, o pedetista se refere principalmente ao ex-aliado Camilo Santana, atualmente candidato ao Senado pelo PT. Gomes acusa o petista de ter rompido a aliança entre PT e PDT no Estado para aceitar um convite do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) para entrar num futuro governo federal.

Em agosto, o ex-ministro fez a declaração no programa Roda Viva, da TV Cultura, ao ser questionado sobre a situação política no estado.

“O Lula foi lá e convidou o Camilo para ser ministro e tudo desandou. As pessoas vão julgar se é razoável. A lista do que eu fiz pelo Camilo, o Ceará sabe e ele sabe. Ele achou, sem me dar um telefonema, que o caminho era esse. Ok, que seja feliz”, disse.

A gestão de Camilo, findada neste ano, deu continuação a aliança entre PT e PDT no Estado. O arranjo começou no governo de Cid Gomes, que também perdurou por dois mandatos. Antes do início das campanhas, o PDT, que deveria escolher a candidatura da vez para ser apoiada pelo PT, elegeu o ex-prefeito de Fortaleza Roberto Cláudio para a função, a contragosto dos petistas, que queriam a vice de Camilo e atual governadora, Izolda Cela (sem partido).

Com isso, os partidos romperam e o PT de Camilo lançou Elmano de Freitas para a disputa estadual, competindo diretamente com Roberto Cláudio e com Capitão Wagner (União Brasil), que lidera a disputa e é adversário dos dois grupos.

Nas últimas semanas, contudo, os irmãos de Ciro têm agido para tentar reaproximar as siglas. Cid e Ivo declararam voto em Camilo Gomes para o Senado e evitaram falar em candidatura para o governo estadual. Hoje, os dois participaram de atividade de campanha petista em Sobral, berço político da família Ferreira Gomes.

No início do mês, o congressista disse que ia se preservar no primeiro turno para tentar ser o “cupido” na retomada da aliança.

“Por razões alheias à minha vontade, contra a minha vontade, essa aliança se desfez agora. Eu tenho esperança de que essa relação possa ser reatada no segundo turno. Para que aconteça, eu vou me preservar no primeiro turno para tentar ser o catalizador, o cupido da renovação dessa aliança no segundo turno”, respondeu Cid à imprensa cearense no dia 3 de Setembro.