Ciro homenageia Suplicy na campanha e incomoda petistas

O programa de Ciro, batizado de
O programa de Ciro, batizado de "renda mínima", fala em pagar R$ 1 mil às famílias mais pobres, numa junção de benefícios sociais. (Foto: AP Photo/Andre Penner)

O candidato à Presidência Ciro Gomes (PDT) deu início às atividades de campanha na periferia de São Paulo (SP).

Nesta terça-feira (16), ele apresentou o Programa de Renda Mínina “Eduardo Suplicy”, uma das principais propostas do ex-governador na corrida pelo Palácio do Planalto.

O programa de Ciro fala em pagar R$ 1 mil às famílias mais pobres, numa junção de benefícios sociais.

A escolha do nome do programa homenageia o ex-senador e atual vereador de São Paulo que protagonizou um desentendimento com o PT neste ano.

Em junho, Suplicy interrompeu uma reunião do partido do qual faz parte afirmando não ter sido convidado.

Ele reclamou que tinha uma proposta de renda básica de cidadania que não foi incluída nas diretrizes do programa da chapa formada pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e seu vice, Geraldo Alckmin (PSB).

Veja como foram as últimas pesquisas eleitorais de 2022:

“Fiz questão de começar a campanha apresentando o Programa de Renda Mínima 'Eduardo Suplicy’, em mais uma visita às periferias abandonadas do nosso Brasil. A ideia é que o projeto se torne um direito constitucional das famílias mais carentes”, afirmou Ciro, que caminhou por um bairro da Zona Leste da capital paulista.

Segundo o candidato, a ideia é transformar a renda num direito básico que não dependerá de “chantagem” política.

Segundo informações da Folha de S.Paulo, a aproximação entre os dois é alvo de críticas de representantes do PT, já que o candidato pedetista faz frequentes ataques a Lula.

Ciro e Suplicy tem se reunido para tratar do tema desde 1994, quando o candidato era ministro da Fazendo no governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB) e encomendou um estudo sobre o tema.