Ciro sugere que Lula deveria se inspirar em Cristina Kirchner e aceitar ser candidato a vice-presidente

·2 minuto de leitura

O ex-ministro Ciro Gomes (PDT) disse que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva deveria dar "um passo atrás" para ajudar o Brasil a "se reconciliar" e sugeriu que o petista poderia concorrer como candidato a vice-presidente em uma chapa presidencial.

Ao participar de um debate sobre a reforma administrativa organizado pela Central dos Sindicatos Brasileiros nesta segunda-feira (6), Ciro disse que Lula deveria seguir o exemplo da ex-presidente da Argentina Cristina Kirchner, que concorreu como vice do atual presidente, Alberto Fernández.

— A gente devia pedir generosidade a quem já teve oportunidade, como o Lula, que é uma grande liderança brasileira. Mas a gente devia pedir a ele que se compenetrasse e não imitasse o exemplo desastrado do (Nicolás) Maduro na Venezuela ou do Evo Morales na Bolívia. E olhasse o que a Cristina Kirchner fez na Argentina em que, tendo uma força grande, deu um passo pra trás e ajudou a Argentina a se reconciliar — afirmou Ciro.

Terceiro colocado nas eleições presidenciais de 2018, Ciro afirmou que se o PT insistir na candidatura própria, Bolsonaro pode manter o discurso antipetista.

— O Bolsonaro querendo se recuperar da impopularidade, aí vai lembrar da esculhambação do Palocci, a esculhambação do Zé Dirceu, a esculhambação não sei de quem.

Ainda na avaliação de Ciro, a direita vai "largar Bolsonaro ao mar e vai tentar se reciclar aí com uma carinha qualquer". Um dos seis signatários de um manifesto a favor da democracia na última quarta-feira, Ciro defendeu que é necessário ter uma "reconciliação entre todos nós".

— Derrotar Bolsonaro é muito importante, não por ódio a ele, mas para derrotar o desastre que ele está produzindo, na saúde, na economia, na relação internacional que o Brasil está desmoralizado. Mas a segunda grande tarefa, mais difícil e que pede uma grande reconciliação entre todos nós, é botar algo no lugar nesse ambiente de terra arrasada em que nós estamos — disse.