Ciro volta a atacar saúde de Lula: 'nunca vi Lula tão enfraquecido, debilitado'

Em entrevista à rádio Jovem Pan, Ciro voltou a atacar a saúde de Lula e descarta possibilidade apoio ao petista no segundo turno. (Foto: Rodrigo Paiva/Getty Images)
Em entrevista à rádio Jovem Pan, Ciro voltou a atacar a saúde de Lula e descarta possibilidade apoio ao petista no segundo turno. (Foto: Rodrigo Paiva/Getty Images)

O candidato à sucessão presidencial pelo PDT, Ciro Gomes, voltou a criticar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) nesta segunda-feira (5).

Em entrevista para a rádio Jovem Pan, o pedetista afirmou que o petista está “enfraquecido e debilitado psicologicamente”. O presidenciável também descartou a possibilidade de apoio a Lula num segundo turno.

“Essa burocracia corrompida do PT usa o Lula de uma forma desumana. Eu conheço o Lula há quase 40 anos, nunca vi o Lula tão enfraquecido e tão debilitado psicologicamente. Ele não conseguiu se defender de um ataque de corrupção do Bolsonaro. Fica com essas palavras que colocam na boca dele para explicar o inexplicável”, disse Ciro em referência ao primeiro debate entre presidenciáveis, realizado em agosto.

Na época, o pedetista chegou a fazer uma publicação nas redes sociais questionando a saúde de Lula. Mas após repercussão negativa, ele apagou o post.

“Eu faço uma campanha inteira dizendo que o PT virou uma organização criminosa, eles me insultam, me agridem todo dia e depois esperam que eu apoie ele no segundo turno. Nunca mais. Ele é um encantador de serpentes, mas a mim ele não engana mais”, assegurou.

Veja as últimas pesquisas eleitorais para presidente:

População brasileira não é gado ou fascista

O candidato ainda criticou o fato de que eleitores do Presidente Jair Bolsonaro (PL) sejam chamados de “gado” ou “fascistas” pelo PT. Segundo Ciro, essa parcela da população vota no atual presidente em protesto contra os problemas econômicos gerados nos governos de Lula.

“Eu não acho, francamente, que a maioria esmagadora do povo brasileiro é gado ou fascista como o PT chama 70% do eleitorado de São Paulo. As pessoas votaram nessa proposta, votaram para protestar contra a crise econômica produzida pelo lulopetismo”, apontou.

Segundo o pedetista, Bolsonaro teve o “privilégio” de servir a nação como presidente, mas abandonou uma “chance de ouro” ao se filiar ao PL de Valdemar Costa Neto.

“O Bolsonaro teve esse privilégio e essa honra que eu busco: a de servir essa nação como presidente. Não é simples, não é fácil, mas o Bolsonaro resolveu se reconciliar. Se filia ao partido de Valdemar Costa Neto, que foi preso no Mensalão do Lula. Abandona uma chance de ouro de transformar o Brasil”, completou Ciro.