Cirque du Soleil pede recuperação judicial devido a pandemia e pode fechar

Reuters

Devido a grande crise gerada no setor do entretenimento por conta da pandemia do coronavírus, o Cirque du Soleil pode acabar em 2020. A empresa canadense entrou com pedido de recuperação judicial nesta segunda (29).

O Cirque du Soleil, que completou 36 anos de atividades no dia 16 de junho, tem tido dificuldades para manter seus negócios - entre eles seis shows em Las Vegas (EUA) - funcionando em meio a restrições impostas pela covid-19 que começaram em março, forçando a empresa a demitir cerca de 95% de sua força de trabalho.

“Com receita zero desde o fechamento forçado de todos os nossos shows devido à covid-19, a diretoria teve que agir decisivamente para proteger o futuro da empresa”, disse o CEO Daniel Lamarre.

O Cirque du Soleil assinou um acordo com seus investidores, o fundo de private equity TPG Capital, a chinesa Fosun International e o fundo de pensão canadense Caisse de depot et placement du Québec, que assumirá o passivo da empresa e investirá US$ 300 milhões em apoio para uma reinicialização. Além disso, o órgão governamental Investissement Québec fornecerá US$ 200 milhões em financiamento de dívidas.

Mas é improvável que os credores aceitem o acordo, o que poderia resultar em detentores de dívida existentes com aproximadamente 45% do patrimônio da empresa reestruturada, disse uma fonte familiarizada com as discussões à Reuters.

Leia mais:

Continue a ler no HuffPost