Cláudio Castro pede retirada de aeroportos de MG do bloco de concessão do Santos Dumont

·2 min de leitura
*ARQUIVO* BRASILIA, DF,  BRASIL,  03-09-2020, 17h00: O governador interino do RJ, Cláudio Castro, fala com a imprensa ao deixar o MInistério da Economia, após reunião com o ministro Paulo Guedes. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)
*ARQUIVO* BRASILIA, DF, BRASIL, 03-09-2020, 17h00: O governador interino do RJ, Cláudio Castro, fala com a imprensa ao deixar o MInistério da Economia, após reunião com o ministro Paulo Guedes. (Foto: Pedro Ladeira/Folhapress)

BRASÍLIA, DF (FOLHAPRESS) - O governador do Rio de Janeiro, Cláudio Castro, vai pedir ao Ministério da Infraestrutura a retirada de aeroportos mineiros do edital de concessão do aeroporto Santos Dumont, por entender que prejudicam o Galeão.

"A gente está solicitando uma mudança sim [no edital], principalmente da questão da retirada dos dois aeroportos deficitários de Minas Gerais, que fazem ter prejuízo para o Rio de Janeiro", disse nesta quarta-feira (12).

A declaração foi dada na saída do Palácio do Planalto, onde o governador teve audiência com o presidente Jair Bolsonaro (PL) e o ministro Paulo Guedes (Economia).

Castro, que é aliado do governo federal, tem ainda nesta quarta-feira uma reunião com o ministro Tarcísio de Freitas (Infraestrutura). Está acompanhado do senador Carlos Portinho (PL-RJ).

"Vamos discutir os formatos. Já tive duas reuniões com ele [Freitas], esta é a terceira. É um processo de negociação", disse. "O diálogo está 100% aberto, que é o que neste momento importa, antes da concessão. Não se conceder nada enquanto não exaurir o diálogo".

A aprovação do edital pela Anac (Agência Nacional de Aviação Civil), em dezembro do ano passado, causou ruído no mundo político do Rio.

A inclusão de três aeroportos mineiros no edital foi questionada também pelo prefeito Eduardo Paes (PSD).

No último dia 5, ele sugeriu que a inclusão desses aeroportos teria sido feita para favorecer o atual operador de Confins, o grupo CCR. Ele pediu investigação do TCU e do Ministério Público.

Outro temor apontado por políticos do estado é que investimentos feitos no Santos Dumont inviabilizem a operação do aeroporto internacional do Galeão, importante para a logística de cargas no estado e gerador de 17 mil empregos diretos e indiretos.

Em vídeo divulgado nas redes sociais no último dia 10, o senador Flávio Bolsonaro (PL-RJ) saiu em defesa do edital do governo federal.

O filho do presidente disse que é falsa a alegação de que o projeto prejudica o aeroporto internacional do Galeão.

Segundo o senador, o Galeão e o Santos Dumont não competem pelos mesmos tipos de voo, e a recuperação do aeroporto internacional depende da retomada econômica no estado.

"Quando que o Rio vai ter outra oportunidade como essa? Em vez de trabalhar contra a concessão do Santos Dumont, achando que está ajudando o Galeão, e na verdade não está resolvendo o problema, vamos trabalhar juntos para beneficiar o nosso Rio de Janeiro agora. Com diálogo com o presidente Bolsonaro, que é do Rio e tem todo o interesse em ajudar o estado", afirmou o senador.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos