Clarice Falcão tentou “bombar” música medíocre com desnecessária exposição de genitálias. Só chocou ou agradou gente de miolo mole...

clarice-falcão-eu-escolhi-voce
clarice-falcão-eu-escolhi-voce

Desde os tempos em que Mallu Magalhães torturava nossos ouvidos com desafinações que fariam uma manada de búfalos fugir em disparada, completamente fora de controle, vamos sendo periodicamente “agraciados” com as presenças midiáticas de cantoras com vozes “fofinhas”, cantando musiquinhas medíocres e embalando tudo o que você possa imaginar: de comerciais de bancos e supermercados a namoros insossos, de passeios de bicicleta com cestinhos na frente a festinhas regadas a suco de pitanga e amora. É uma turma que se considera “artistas”, só que reagem com falsa timidez e sorrisos amarelos quando questionados a respeito disso por uma mídia jornalística cada vez mais submissa aos releases das assessorias de imprensa.

A “bola da vez” é Clarice Falcão, uma menina que vem aparecendo por aí com uma regularidade impressionante: tudo o que ela faz é chato de doer a coluna vertebral. Canções, filmes, esquetes de humor… Tudo é tão insípido que dá a impressão que estamos diante de uma “artista” especializada em induzir a platéia a um sono coletivo do qual se desperta apenas com o uso de sirenes de alerta contra ataques nucleares.

Só que esta semana ela, provavelmente convencida por pessoas bem espertas, reapareceu com um clipe bastante controverso, feito justamente para tirar seu público “fofinho” de um estado de letargia cada vez mais “quentinho”. Repleto de pirocas e bucetas – sim, vamos dar os nomes corretos aos bois, por favor, porque esse papinho de “pepeka” é coisa de debilóide -, apresentados aleatoriamente e sem qualquer nexo em relação ao que é cantado, “Eu Escolhi Você” é um desfile de genitálias de todos os tipos disfarçado de “celebração do corpo humano”, segundo a própria ‘cantora’, uma desculpa tão esfarrapada que só quem tem apenas dois ou três neurônios em perfeito funcionamento acreditou. É claro que o clipe foi retirado do You Tube, fato prontamente aproveitando pela assessoria da moça, que enviou textos prontinhos para as redações, que por sua vez repassaram todas as informações, sem qualquer traço de análise e/ou questionamentos. Bem típico do tipo de “jornalismo” que se faz nos dias atuais…

Antes que você pense que meu azedume tem algum traço moralista, pode parar: o menor problema de tudo é a exposição genital! A grande questão é a discussão dos limites existentes entre a execução de uma ideia sórdida e perversa para ‘bombar’ um trabalho medíocre e as estratégias de marketing para tornar uma canção pavorosa relevante para o público. Qualquer público. Sem contar que a música é tão ruim que vai causar a maior onda de broxadas masculinas e femininas da galáxia desde que a Baby Consuelo apareceu com os sovacos peludos…

Qual será o próximo passo dessa “gente ishhhhhhhpppéeeeeeeeerrrrrrttttttaaaaaaa”? Clipes exibindo trepadas explícitas? Matança de animais? Gente vomitando em diversos pontos turísticos do planeta? Qual será a próxima “polêmica” que servirá para “bombar” uma canção absolutamente patética e, consequentemente, transformar o “artista” em um “hype” instantâneo? Quem e quantos serão os retardados que irão se engalfinhar em discussões inúteis nas redes sociais, enquanto os empresários dos tais “artistas” começam a ir atrás de shows para seus contratados enquanto o assunto ainda está “quente”?

Toda essa maluquice é apenas mais um sinal de que, em breve, a Humanidade voltará a viver em árvores, comendo carne crua, frutas e insetos…

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos