Classificado no LAAC 2022, golfista brasileiro mira os Jogos de Paris-2024 e analisa bom desempenho

·3 min de leitura

LA ROMANA (República Dominicana) — A semana do Latin America Amateur Championship (LAAC) 2022 tem sido marcada por manhãs e inícios de tarde de muito sol. Nesta sexta-feira, a segunda e decisiva rodada de competições entre os principais golfistas amadores da América Latina teve, além do clima ensolarado, forte vento no gramado do "Teeth of the dog", em La Romana. O dia terminou com três brasileiros classificados à duas últimas rodadas.

Andrey Borges, que ocupava o terceiro lugar ao fim do primeiro dia, finalizou a segunda rodada com +2 (duas tacadas a mais em relação ao par, número definido para o campo) e caiu para 12º, colocação dividida com o chileno Gabriel Morgan Birke. Fred Biondi terminou o circuito do dia com +3 e fechou em 16º, empatado com Aram Yenidjeian (Argentina) e Luis Carrera (México). Já Lucas Park, que completou o circuito desta sexta com +2, terminou na 43ª colocação, ao lado dos argentinos Andy Schönbaum e

Juan Martín Loureiro. Como terminaram entre os 50 primeiros, o trio qualificou-se para jogar a rodada 3, neste sábado, e a rodada final, no domingo.

Outros atletas do país na disputa nesta sexta foram Guilherme Grinberg e Matheus Park. A liderança ficou com o peruano Julian Perico, que fechou o circuito desta sexta com -6. Segundo Oliva Pinto, da Argentina, ficou com a vice-liderança, enquanto o atual campeão, o também argentino Abel Gallegos, divide a terceira com outros quatro competidores.

— Ontem foi um dia muito bom, errei muito pouco. Hoje, errei uma tacada, na verdade, no buraco 12. Coloquei um pouco à esquerda. A bola foi um pouco de draw (curva da direita para a esquerda) e foi no rough (parte do campo com grama alta). Não encontrei a bola, passou os três minutos. Encontrei dois segundos depois dos três minutos. Isso me tirou um pouco de jogo naquele buraco. Depois desse buraco, esqueci tudo e voltei ao natural — avaliou Andrey.

Buracos complicados

O jogador de 20 anos aponta os buracos perto do mar como os mais complicados. O "Teeth of the dog" é banhado pelas belas águas da enseada de Caletón de la Majagua.

— É um campo bem estratégico. Tem buracos que são na beira do mar. Tem que ter muita paciência, ser muito estratégico. Venta muito no lado do mar. Tem que ter muita concentração nesses buracos. Os outros são razoáveis, não são tão difíceis.

Quando chegou ao evento, Andrey afirmou que joga melhor sob pressão. No momento, disse não estar se sentindo pressionado — os 50 melhores ao fim da rodada 3, neste sábado, disputam a rodada final, no domingo —, mas sim confiante e consistente. Depois do LAAC, o jogador pretende se profissionalizar e tentar uma vaga nos Jogos de Paris-2024.

— É um sonho, sem dúvida. Acho que tenho bastante potencial para chegar se me dedicar realmente como estou me dedicando. Vamos ver o que acontece.

O LAAC é a principal competição amadora de golfe na América Latina: o campeão garante convite para o Masters (Estados Unidos) e exceção para o The Open (Reino Unido), duas das principais competições de golfe do mundo.

* O repórter viaja a convite da organização.

Nosso objetivo é criar um lugar seguro e atraente onde usuários possam se conectar uns com os outros baseados em interesses e paixões. Para melhorar a experiência de participantes da comunidade, estamos suspendendo temporariamente os comentários de artigos