Cláudio Castro sobre prisão de ex-secretário da Polícia Civil: “Tem que ter calma”

Turnowski chegou a discursar, no 7 de Setembro, ao lado de Cláudio Castro e Bolsonaro (MAURO PIMENTEL/AFP via Getty Images)
Turnowski chegou a discursar, no 7 de Setembro, ao lado de Cláudio Castro e Bolsonaro

(MAURO PIMENTEL/AFP via Getty Images)

  • Cláudio Castro pede calma ao falar sobre prisão de Allan Turnowski;

  • Ex-secretário da Polícia Civil é acusado de envolvimento com jogo do bicho;

  • Governador do Rio exaltou a atuação de Turnowski e se solidarizou com Eduardo Paes.

O governador do Rio, Cláudio Castro (PL), disse nesta segunda-feira (12) que é preciso “ter calma” ao falar sobre a prisão de Allan Turnowski, ex-secretário da Polícia Civil acusado de envolvimento com o jogo do bicho.

Turnowski teve a prisão preventiva decretada na última sexta-feira (9) e, segundo a investigação do Ministério Público do Rio, tinha planos de prejudicar adversários políticos, como o prefeito Eduardo Paes. Ao que tudo indica, ele atuava ao lado do delegado Maurício Demétrio, preso desde 2021.

“Queria aproveitar esse espaço para me solidarizar com o prefeito Eduardo Paes. Não concordo com nenhuma interferência de nenhuma instituição no processo eleitoral. Entendo a revolta dele, se fosse comigo eu também me revoltaria”, disse Castro, antes de um encontro com empresários na sede da Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan). “A investigação tem que ser dura e punir quem estiver errado, eu só acho que a gente tem que ter calma. Na denúncia que vazou pela imprensa não tem uma fala do Turnowski contra o Paes e creio que investigações têm que tomar o rumo para que não se cometa injustiça como o próprio Eduardo Paes já disse que tentaram cometer contra ele”.

O governador do Rio também exaltou a gestão de Turnowski à frente da secretaria e disse que é necessário separar um eventual “erro pessoal” de uma “questão institucional”. “Segurança pública se traduz em números e na sensação. Os números do Allan Turnowski são fantásticos. O trabalho dele de secretário não tem nada a ver com isso”, opinou.

Dois dias antes de ser preso, Turnowski esteve com Castro e com o presidente Jair Bolsonaro (PL) nas comemorações do Bicentenário da Independência do Brasil, em 7 de Setembro. Ele chegou a discursar com ambos em trio elétrico na Praia de Copacabana, onde aconteceram os festejos no Rio de Janeiro.

Turnowski é candidato a deputado federal pelo PL e escolheu como número de urna o 27, apontado como uma referência à quantidade de mortos na operação do Jacarezinho, em maio de 2021.

Veja as últimas pesquisas eleitorais para presidente: