Clientes da FTX entram com ação coletiva para reivindicar ativos

Por Tom Hals e Dietrich Knauth

(Reuters) - Os clientes da FTX entraram na terça-feira com uma ação coletiva contra a falida corretora de criptomoedas e ex-executivos, incluindo Sam Bankman-Fried, buscando uma declaração de que os ativos digitais da empresa pertencem aos clientes.

O processo é o mais recente esforço legal para reivindicar os ativos cada vez menores da FTX, que já está em conflito com instâncias nas Bahamas e Antígua, bem como a massa falida da Blockfi, outra empresa de criptomoedas.

A FTX se comprometeu a separar as contas dos clientes e, em vez disso, permitiu que elas fossem desviadas e, portanto, os clientes deveriam ser reembolsados primeiro, de acordo com a ação movida no Tribunal de Falências dos EUA em Delaware.

A FTX não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

A FTX, com sede nas Bahamas, suspendeu saques no mês passado e pediu proteção contra falência depois que os clientes correram para retirar seus ativos da que já foi a segunda maior corretora de criptomoedas, após surgirem dúvidas sobre suas finanças.

Bankman-Fried enfrenta acusações decorrentes do que um promotor federal chamou de "fraude de proporções épicas", que incluía o uso de fundos de clientes para apoiar sua plataforma de negociação de criptomoedas Alameda Research.

Bankman-Fried reconheceu falhas de gerenciamento de risco na FTX, mas rejeitou que tenha responsabilidade criminal.

A ação coletiva, que pretende representar mais de 1 milhão de clientes da FTX nos EUA e no exterior, busca uma declaração de que os ativos rastreáveis do cliente não são propriedade da FTX. A ação também quer que o tribunal determine especificamente que a propriedade mantida na Alameda que é rastreável aos clientes não é propriedade da Alameda.

A ação busca uma declaração do tribunal de que os fundos mantidos em contas FTX US para clientes nos EUA e em contas FTX Trading para clientes fora dos EUA ou outros ativos rastreáveis de clientes não são propriedade da FTX.

Se o tribunal determinar que é propriedade da FTX, os clientes buscam uma decisão de que têm direito prioritário de reembolso sobre outros credores.

(Reportagem de Tom Hals em Wilmington, Delaware)