Clube-empresa: Senado aprova proposta que cria Sociedade Anônima de Futebol, com novas possibilidade de investimento

·1 minuto de leitura

BRASÍLIA — O Senado aprovou projeto de lei que oferece aos times brasileiros a oportunidade de se transformarem num clube-empresa, com participação de investidores externos e ações de governança, de controle e de transparência. Com isso, a criação da Sociedade Anônima do Futebol (SAF) possibilitará novas formas de obter recursos.

Pelo modelo atual, os times se configuram como associações sem fins lucrativos. Agora, poderão angariar recursos através de ações e debêntures, entre outros. A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) deverá acompanhar os negócios.

O texto, de autoria do presidente do Senado, Rodrigo Pacheco (DEM-MG), segue para apreciação na Câmara dos Deputados. Clubes como Botafogo, Cruzeiro e América pretendem aderir à medida.

— O projeto, além de estabelecer a forma, a composição e a governança da Sociedade Anônima do Futebol, conta com a disposição em guarnecer o clube ou a empresa originalmente constituída, na medida em que hoje temos clubes que são associações civis e clubes já empresas, desde a Lei Pelé, empresas limitadas na sua grande maioria, embora se refiram a um universo muito pequeno ainda — disse o relator, Carlos Portinho (PL-RJ).

Ex-jogador da Seleção brasileira, o senador Romário (PL-RJ) comemorou a decisão nas redes sociais: