Clubes peruanos ameaçam paralisação do campeonato nacional

Clubes peruanos passam por momento complexo com a detentora de direitos de transmissão.
Clubes peruanos passam por momento complexo com a detentora de direitos de transmissão. Foto: (DIEGO RAMOS/AFP via Getty Images)

A Liga de Futebol Peruano atravessa um momento complicado na relação com a Gol TV, através da Gol PERÚ, emissora que é detentora dos direitos de transmissão dos campeonatos do país. Alguns clubes peruanos não estariam satisfeitos com a maneira com que os contratos estão sendo levados e indicam que podem realizar um 'boicote' ao Campeonato Peruano.

De acordo com o portal de notícias peruano Líbero, a TNT Sports, integrante do grupo Warner Media Latin America, gostaria de adquirir os direitos de todas as partidas do torneio nacional, mas alguns clubes têm contrato assinado com a Gol TV até o fim do ano de 2023 e outros até 2025, o que tornaria a mudança inviável no momento.

Leia também:

Clubes importantes no cenário peruano, como o Universitario, o Alianza Lima e o Cienciano indicaram que, caso a Federação Peruana de Futebol abra um processo de licitação, uma "série de eventos de descumprimento" pode ser causada, gerando multas e sanções.

Através de um comunicado em conjunto, assinado pelos mandatários das três equipes citadas, foi reclamado que: "permaneceremos na incerteza, sem saber a quem entregaremos nossas instalações para a transmissão de nossas partidas. (...) Por um lado, teremos a GOL PERÚ exigindo o cumprimento do contrato (com as ações legais previstas na Lei), e, por outro, a FPF exigirá exatamente a mesma coisa, para que o contrato assinado com um terceiro".

Por fim, as três principais equipes afirmaram que sofreriam sanções econômicas por causa de uma polêmica desnecessária: "A única coisa certa e concreta é que, injustamente, somos os clubes que sofrerão as consequências económicas desta polémica desnecessária; por isso, exortamos os diferentes atores a agir com responsabilidade e Em estrito respeito ao nosso ordenamento jurídico, qualquer interessado deve estender que nossos clubes não fazem parte das negociações e ofertas feitas pela FPF, pois há contratos vigentes".