CNBB divulga nota lamentando o posicionamento de cristãos na eleição

Elza Fiúza/ABr

A CNBB Regional Sul 1 decidiu se manifestar sobre o período eleitoral. Na nota, a entidade alerta sobre candidatos que tem posturas que disseminam violência, ódio, racismo, homofobia e preconceito.

Um dos casos mais recente sobre propaganda eleitoral envolveu o padre Moacir Anastácio de Carvalho. Durante celebração de missa na Paróquia São Pedro, em Taquatinga Sul, o sacerdote pediu votos para o candidato do PSL, Jair Bolsonaro. Sem citar o nome do libera, o padre aparece em vídeo dizendo que ““tem uma campanha feita pelas moças da Rede Globo totalmente contrárias à palavra de Deus: ‘nele não’. E eu te digo: nele sim, pois é o único cristão que nós temos aí”.

Leia mais
Lula tem altar de orações em prisão de Curitiba
Bolsonaro faz aceno ao Nordeste e lamenta prisão de Lula
Publicitário faz greve de fome em apoio a Bolsonaro no Rio

Essa foi a segunda vez que o padre Moacir ganhou destaque nacional. O religioso foi investigado pela operação Lava Jato e em maio de 2016 teve que explicar a origem e o uso de R$ 950 mil que sua paroquia recebeu por meio de empreiteiras. Ao final da investigação, o religioso foi absolvido porque a PF não conseguiu encontrar qualquer prova de que ele estaria ligado a alguma atividade criminosa.

A postura do padre Moacir, no entanto, vai contra diretriz da Arquidiocese de Brasília. Leia o posicionamento da entidade:

A Arquidiocese de Brasília orientou seus padres em plena conformidade com as indicações da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), do Regional Centro Oeste e do Arcebispo Dom Sergio da Rocha sobre a proibição eclesiástica de realizar, divulgar ou apoiar atividades de caráter político-partidário.

Sabemos que a Justiça eleitoral tem proibido a propaganda política em templos, celebrações ou outras atividades pastorais, punindo a quem promover inclusive os candidatos.

Os comportamentos divergentes dos padres são de responsabilidade pessoal e demais esclarecimentos devem ser dados por eles próprios.

O caso do padre Moacir não é o único. Principalmente por meio do Facebook, religiosos tem manifestado preferência por esse ou aquele candidato. Leia abaixo a nota na íntegra da CNBB Regional Sul 1:

O destino do Brasil, por muitos anos, estará sendo decidido nas eleições que se aproximam. Muitíssimos eleitores, no entanto, desinformados sobre os reais interesses que estão em jogo, correm o risco de fazer escolhas sem conhecerem suficientemente e analisarem criticamente os candidatos, seus partidos, quem os financia e seus projetos.

Muitos candidatos vendem uma imagem que não corresponde à sua identidade real, à função que postulam e ao tipo de gestão que a nação necessita. Para muitos deles, o processo eleitoral se reduz ao marketing. O debate com a participação direta dos eleitores é raro. Até mesmo grande parte de comunidades cristãs se omite dessa responsabilidade.

São escandalosas as posturas alienadas de muitos cristãos e as adesões a um candidato à presidência que dissemina violência, ódio, racismo, homofobia e preconceito contra mulheres e pobres. Ele utiliza falsamente as temáticas do aborto, gênero, família e ética; faz apologia à tortura, à pena de morte e ao armamentismo; e é réu por injúria e incitação ao crime de estupro.

Ele e outros candidatos usam o “nome de Deus em vão”, o que é censurado na Sagrada Escritura, conforme o Livro do Êxodo 20,7. Manipulam a religião. Não amam a justiça. O livro da Sabedoria os adverte: “Haverá investigação sobre os projetos do injusto, o rumor das palavras dele chegará até o Senhor e seus crimes ficarão comprovados” (Sb 1,9).

Frente a esse contexto, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) lançou uma cartilha sobre as eleições, na qual manifesta preocupação com as polarizações que culminam em ódio. Por meio dessa cartilha, a CNBB chama a atenção para a importância da convivência democrática, do respeito ao próximo, do pluralismo sadio e do debate político sereno.

“A polarização de posições ideológicas, em clima fortemente emocional, gera a perda de objetividade e pode levar a divisões e violências que ameaçam a paz social”, diz a CNBB nessa cartilha. Guiando-se por ela, a Diocese de Jales lançou um folheto que conclama os eleitores a “uma participação mais consciente e responsável nas eleições”.

Esse folheto apresenta critérios para a escolha de bons candidatos, afirmando que os bons políticos são conhecidos especialmente por seus compromissos com a classe trabalhadora. Votar, então, em quem? Em quem “possui histórico de ações em favor dos mais necessitados: crianças, adolescentes, jovens, trabalhadores, idosos, sem teto e desempregados”.

Se o candidato postula a reeleição, que o eleitor tome em consideração como ele se posicionou nas reformas dos dois últimos anos, que prejudicaram a classe trabalhadora. O critério do candidato ser do município ou da região não é prioritário. O eleitor deve conhecer bem seu histórico de vida e seu programa de trabalho, e ver se tem lutado em favor dos trabalhadores e do bem comum.

Reconheçamos a importância do debate respeitoso sobre esse assunto em todos os ambientes, especialmente nas comunidades cristãs, afinal Cristo nos confia a vida em sociedade, afirmando que seus seguidores devem ser “sal da terra e luz do mundo” (cf. Mt 5,13-16). Ele mesmo atribui prioridade a essa missão, dizendo: “Buscai primeiro o Reino de Deus e a sua justiça” (Mt 6,33).

O destino saudável do Brasil depende de nossa opção em defesa do que é verdadeiramente justo. Saibamos, então, fazer escolhas lúcidas nesta eleição, entendendo que estão em jogo, basicamente, dois projetos: um deles é da classe trabalhadora, em favor do bem comum. Se fizermos outra escolha sofreremos ainda mais. Por isso, estejamos atentos! Deus nos responsabiliza.

Por Dom Reginaldo Andrietta, Bispo Diocesano de Jales