CNI: 9 em cada 10 brasileiros consideram grave a pandemia no Brasil

Marcela Leite
·2 minuto de leitura
Close-up of woman using antibacterial hand gel at home.
Na comparação por gênero, mulheres são as que mais se preocupam: 93% contra 85% dos homens
  • Pesquisa da CNI mostra que 89% dos brasileiros acreditam que situação atual da pandemia da covid-19 no Brasil é grave ou muito grave

  • Três em cada quatro entrevistados perderam alguém próximo

  • Apenas 4% acreditam que situação não é nada grave

A segunda etapa da pesquisa “Os brasileiros, a pandemia e o consumo”, da CNI (Confederação Nacional da Indústria), divulgada nesta segunda-feira (3), mostra que 89% dos brasileiros acreditam que a atual situação da pandemia da covid-19 no país é grave ou muito grave. No levantamento feito há um ano, eram 80%. O levantamento foi encomendado ao Instituto FSB. 

Leia também:

A proximidade com pessoas que morreram por complicações da covid-19, além de outros fatores, piorou essa percepção. Segundo a pesquisa, três em cada quatro entrevistados perderam alguém próximo. Mais da metade viu amigos morrerem, 25% perderam familiares e 15% deles tiveram colegas de trabalho que morreram em decorrência do coronavírus.

Segundo Robson Braga de Andrade, presidente da CNI, “enquanto não houver uma vacinação em massa, a pandemia será motivo de grande preocupação para a população e continuará afetando o funcionamento das empresas, dificultando a esperada retomada da economia.”

Entre os 2.010 entrevistados entre 16 e 20 de abril, apenas 4% acreditam que a situação não é nada grave. 

Mulheres mais preocupadas

Para 93% das mulheres, a situação é grave ou gravíssima. Já para os homens, esse percentual cai para 85%. Além da questão de gênero, não também há diferenças entre regiões e faixas etárias. 

No total, 86% dos brasileiros entre 25 e 40 anos consideram a pandemia grave. Esse número sobe para 92% quando quando a parcela da população que tem mais de 60 anos é questionada. 

No Norte e Centro-Oeste, 85% veem a situação como grave e 8% acreditam que é pouco ou nada grave. No Sudeste, 92% avaliam a situação do Covid-19 no Brasil, como grave ou gravíssima. E 3%, como pouco ou nada grade.

Mortes nos próximos meses

Do total, 44% acham que o número de mortes de casos de covid-19 vão aumentar muito no decorrer dos próximos meses. Essa percepção é maior entre os jovens de 16 a 24 anos: 53% acham que a situação vai piorar.

Para os que têm de 25 a 40, essa porcentagem cai para 48%, enquanto entre idades de 41 e 59 anos, só vai diminuindo e chega a 40%. O índice cai mais ainda quando se chega a quem tem mais de 60 anos: 34%