CNI diz que bloqueios nas estradas são 'manifestação antidemocrática' e que protestos ameaçam produção

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) divulgou uma nota, nesta terça-feira, posicionando-se contra o bloqueio nas estradas brasileiras por caminhoneiros que não aceitam o resultado da eleição presidencial. A entidade alertou que, se as rodovias não forem desbloqueadas rapidamente, estarão ameaçados a produção e o abastecimento de itens essenciais, como combustíveis, equipamentos e insumos para hospitais, e matérias-primas básicas para as atividades industriais.

AO VIVO: Bolsonaro faz pronunciamento após derrota; Acompanhe a repercussão política e as notícias dos bloqueios nas estradas

'Omissão': procuradores pedem que Aras investigue suposta 'conivência' de Bolsonaro com atos antidemocráticos nas rodovias

“A CNI é veementemente contrária a qualquer manifestação antidemocrática que prejudique o país e sua população", ressaltou a entidade.

Segundo a CNI, as indústrias têm sido afetadas no escoamento da produção e relatam casos de impossibilidade do deslocamento de trabalhadores. Uma das razões é que 99% das empresas brasileiras usam as rodovias para transporte de sua produção.

“O setor industrial se posiciona contrariamente a qualquer movimento que comprometa a livre circulação de trabalhadores e o transporte de cargas, e que provoque prejuízos diretos no processo produtivo e na vida dos cidadãos - os mais impactados com essa situação. O direito constitucional de ir e vir dos brasileiros precisa ser respeitado”, diz a nota.

A entidade informou que tem entrado em contato com representações setoriais e estaduais, a fim de monitorar os impactos dos bloqueios sobre as atividades produtivas do país. Também mantém interlocução direta com as autoridades competentes.