Co-fundador da Netflix, Hastings deixa o cargo de CEO, base de assinantes surpreende

Logo da Netflix na Comic Con de San Diego, California, EUA

Por Lisa Richwine e Dawn Chmielewski

LOS ANGELES (Reuters) - O cofundador da Netflix, Reed Hastings, disse nesta quinta-feira que deixará o cargo de executivo-chefe, entregando as rédeas do serviço de streaming ao parceiro e co-CEO Ted Sarandos e ao diretor executivo de operações, Greg Peters.

As ações da empresa, que caíram quase 38% no ano passado, subiram 6,1%, já que a pioneira em streaming de vídeo também disse que conquistou mais assinantes do que o esperado no final do ano passado.

A Netflix está sob pressão depois de perder clientes no primeiro semestre de 2022.

A mudança entra em vigor imediatamente, representando o fim de uma década de planejamento de sucessão pelo conselho. Peters e Sarandos foram promovidos em julho de 2020 em um momento desafiador para a empresa.

"Foi um batismo de fogo, dada a Covid e os recentes desafios em nossos negócios", disse Hastings em comunicado. "Mas ambos se saíram incrivelmente bem... então, o conselho e eu acreditamos que é o momento certo para decidir minha sucessão."

Hastings saiu com a Netflix anunciando adição de 7,66 milhões de assinantes no quarto trimestre, acima das previsões de Wall Street de 4,57 milhões, com a ajuda das séries "Harry & Meghan" e "Wandinha" na batalha para atrair telespectadores de streaming de televisão.

O lucro por ação, no entanto, ficou em 0,12 dólar, abaixo dos 0,45 dólar esperados por analistas ouvidos pela Refinitiv.

A Netflix projetou ganhos "modestos" em assinantes até março. A empresa previu crescimento de 4% ano a ano na receita durante o período com a ajuda de novos fluxos de receita.

A base global de assinantes da empresa atingiu 231 milhões no final de dezembro.

(Por Lisa Richwine, Dawn Chmielewski e Eva Matthews)